MME vê chineses no setor elétrico com tranquilidade

A entrada dos chineses no setor elétrico do País é vista com tranquilidade pelo ministério das Minas e Energia e pela Eletrobrás. Recentemente, a estatal State Grid Corporation of China, uma das maiores companhia de transmissão e distribuição de energia chinesa, comprou o controle de algumas empresas da Plena Transmissoras, controlada pelas espanholas Elecnor, Isolux e Cobra, que participam de leilões de linhas de transmissão no País.

ALESSANDRA SARAIVA, Agencia Estado

24 de maio de 2010 | 16h53

Para o ministro das Minas e Energia, Márcio Zimmermann, o mercado brasileiro tem regras claras no setor de transmissão, o que atrai os estrangeiros. Para ele, caso os chineses não desrespeitem nenhum tipo de regra no setor, "faz parte do jogo" a chegada de outros competidores. Já o diretor de Planejamento e Engenharia da Eletrobras, Valter Cardeal, também afirmou que vê "com naturalidade" a chegada dos chineses. "É mais um player que vem competir", afirmou.

Porém, tanto Zimmermann quanto Cardeal afirmaram que os chineses não devem participar do próximo leilão de linhas de transmissão, a ser realizado em 11 de junho. Eles explicam que o prazo para entrega de documentação já foi finalizado, e novos players não poderiam mais entrar neste leilão. "Talvez no próximo leilão de linhas, a ser realizado no segundo semestre (ocorra a participação dos chineses)", aventou Cardeal.

Tudo o que sabemos sobre:
energiaMMEChina

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.