MMX fecha contrato de serviço ferroviário com MRS até 2026

Negócio prevê escoamento do minério de ferro do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais até o Superporto Sudeste, em Itaguaí

Agência Estado,

28 de dezembro de 2011 | 19h01

SÃO PAULO - A MMX Mineração e Metálicos assinou, através da sua subsidiária MMX Sudeste Mineração Ltda, contrato de prestação de serviço ferroviário com a MRS Logística para escoamento do minério de ferro do Quadrilátero Ferrífero de Minas Gerais até o Superporto Sudeste, localizado em Itaguaí no Estado do Rio de Janeiro.

O contrato prevê um volume de até 36 milhões de toneladas de minério de ferro por ano até 2026. A tarifa de R$ 26,463 por tonelada úmida, líquida de impostos, será reajustada anualmente por fórmula paramétrica que envolve a variação do IGP-DI e do óleo diesel, segundo informa a MMX. O contrato não prevê investimentos pela MMX. "Em caso de eventuais mudanças tecnológicas ou necessidade de investimentos adicionais em infraestrutura para garantir o atendimento dos volumes da MMX, as partes discutirão a necessidade de ajustes na tarifa, em condições estabelecidas no contrato", afirma a empresa, em fato relevante.

O contrato prevê ainda uma flexibilidade de até 10% para mais ou 15% para menos nos volumes anuais contratados, mediante comunicação da MMX à MRS no ano anterior. A tonelagem anualmente contratada está sujeita à cláusula de take-or-pay com base em 80% do volume.

"A assinatura do contrato com a MRS garante a integração logística do Sistema Sudeste da MMX, e completa o conjunto de ações necessárias ao desenvolvimento da empresa. Com as reservas de Serra Azul certificadas, o transporte ferroviário contratado e o Porto próprio em avançado estágio de construção, a MMX consolida seu projeto de expansão, calcado em reservas de qualidade, logística integrada e eficiente e contratos de fornecimento de longo prazo com parceiros estratégicos" Afirma, no fato relevante, o presidente da MMX, Guilherme Escalhão.

Tudo o que sabemos sobre:
MMXMRSminério de ferro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.