MMX negocia trecho de ferrovia com a Vale

Poucos dias depois de anunciar um plano de reestruturação que inclui a venda de ativos de mineração para a Anglo American por US$ 5,5 bilhões, o empresário Eike Batista revelou ontem que a MMX está em negociação com a Vale, controladora da Ferrovia Centro Atlântica (FCA), para assumir um trecho entre as cidades de Campos (RJ) e Miguel Burnier, distrito de Ouro Preto (MG), que atualmente está desativado. "Hoje, eles (Anglo American) vão se concentrar mais na parte de mineração e nós vamos nos concentrar mais na parte de logística?, diz Eike. Segundo o empresário, a MMX está em negociações para reativar o trecho, completando o ramal entre Campos e o Porto de Açu, no Rio. "Isso vai ajudar Minas Gerais a ter um novo corredor de porte mundial", afirma. Para Eike, os sistemas Minas-Vitória e MRS "estão razoavelmente ocupados?. De acordo com o empresário, o projeto também inclui a abertura de um ramal entre Campos e o Porto de Açu. Seria um novo corredor com grande potencial para a exportação que poderia ter como clientes a Fiat e a Iveco, entre outras companhias instaladas no Estado. "É um trecho importante, que teria carga suficiente para ser viável?, avalia. A recuperação dessa linha, que teria aproximadamente 650 quilômetros de extensão, demandaria investimentos de R$ 2,5 bilhões. A expectativa é que a linha entre em operação juntamente com o Porto de Açu, dentro de três anos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.