coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Mobly, de móveis pela web, capta US$ 10 mi da família Cisneros

Rede brasileira, que tem o fundo alemão Rocket Internet como sócio, atrai investimento de bilionários venezuelanos

FERNANDO SCHELLER, O Estado de S.Paulo

30 de abril de 2013 | 02h07

Criada por três brasileiros a partir de um investimento do fundo alemão de empresas de internet Rocket Internet, a Mobly, que vende itens de mobiliário e decoração, acaba de atrair mais US$ 10 milhões do fundo da bilionária família venezuelana Cisneros - a segunda maior fortuna da América do Sul - para sua estratégia de expansão no Brasil. O site vendeu R$ 180 milhões em 2012 e pretende faturar R$ 450 milhões neste ano.

A Mobly é a aposta do Rocket Internet, considerado uma "fábrica" mundial de startups, para fazer vingar a ambição de vender móveis e itens de decoração pela web. De acordo com Marcelo Marques, um dos fundadores da Mobly, o site brasileiro surgiu um ano e meio depois de o fundo lançar uma iniciativa europeia no setor: a Home24.

No entanto, Marques diz que o modelo foi mais bem sucedido por aqui. Apesar de a Home24 faturar em euros e a Mobly em reais, hoje as empresas têm o mesmo porte. "A diferença é que o mercado é bem mais desenvolvido lá. A Ikea (rede sueca que era o alvo principal do Rocket Internet com a Home24 na Europa) é muito mais forte do que as concorrentes daqui", afirma o empreendedor.

Para se diferenciar de outras iniciativas de venda de produtos para a casa para a web - como a Oppa, que nasceu com a ideia de fomentar novos designers e criar marcas próprias -, a Mobly optou por ter uma oferta variada, que atenda também a classe C. No site, é possível encontrar sofás por menos de R$ 500, o que permite que a loja concorra diretamente com redes populares como Casas Bahia e Magazine Luiza.

Os R$ 10 milhões recebidos da família Cisneros servirão para sustentar o crescimento acelerado que a Mobly experimenta desde que foi criada, há um ano e meio. Para outro cofundador do site, Mario Fernandes, à medida que o site cresce, é preciso que o marketing saia só da internet e caminhe para a TV aberta. A estratégia, que tem o objetivo de dar mais credibilidade à marca, já foi adotada por outros expoentes da web brasileira, como o Decolar.com e o Mercado Livre.

A Mobly espera ocupar um "vácuo" no mercado de decoração no Brasil. Segundo Fernandes, uma das vantagens da empresa é que as redes focadas em decoração - como TokStok e Etna - têm situação concentrada em grandes centros, o que abriria espaço para a Mobly no interior do País. Para isso, porém, ela precisará ser mais atrativa do que as iniciativas online dessas duas varejistas.

Dificuldades. O grande desafio da Mobly será transformar o volume de vendas em lucro - uma dificuldade enfrentada por várias iniciativas de e-commerce, incluindo gigantes como Dafiti e Netshoes. Segundo a revista alemã Der Spiegel, o Rocket Internet não conseguiu entregar as promessas de lucros em muitos de seus projetos. "Primo" do Mobly, o Home24 está entre os que operam no vermelho: só em 2012, perdeu 40 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.