Moda: fique atualizado sem ir à falência

Com um pouco de criatividade e alguma orientação profissional, é possível manter o guarda-roupa atualizado sem gastar uma fortuna. A Agência Estado entrevistou vários especialistas do mercado de moda para saber como empregar o seu dinheiro da melhor maneira possível e ficar na moda.A principal dica dos especialistas é comprar peças versáteis, possibilitando várias combinações. Ao ir às compras, o consumidor deve pensar no seu guarda-roupa, compondo combinações com o que ele já possui. A versatilidade é uma aliada importante da economia.Outra dica importante é planejar as compras ao longo do ano. A propaganda das empresas é mais intensa no início da estação, mas é no final das estações que são realizadas as liqüidações e, portanto, quando é mais fácil encontrar as melhores ofertas. Mas cuidado, as tendências da moda mudam de ano para ano, e as peças em oferta no final de uma estação podem ficar antiquadas no ano seguinte. As extravagâncias são as primeiras a envelhecer. Além disso, as estações no Brasil não são tão marcadas quanto na Europa e nos Estados Unidos. A meia-estação predomina em São Paulo, com peças mais leves em regiões mais quentes. Com acessórios, na maioria das vezes, é possível dar conta das variações do clima.Por fim, não é só a época que interfere nos preços. O endereço das compras faz toda a diferença. Muitas vezes, a mesma peça é vendida por um preço muito mais alto nos shoppings e lojas sofisticadas, mas também pode ser encontrada no comércio popular ou lojas de ponta de estoque. O desconforto é maior e o consumidor deve garimpar bastante, mas com paciência e uma boa idéia do que se está procurando, pode valer a pena. A dica dos especialistas é ir às lojas de griffe nos endereços caros para ter idéias, comprando nas liqüidações e promoções. E, tendo mais tempo, procurar nas lojas mais baratas. A Agência Estado pesquisou as principais tendências da moda e as opções de compra para quem está disposto a buscar as melhores ofertas. Veja as dicas no link abaixo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.