Moedas latinas estão mais fracas por aversão ao risco

O presidente do banco central do México, Agustin Carstens, declarou neste domingo que os líderes dos bancos centrais da América Latina enxergam na atual fraqueza das moedas da região um resultado da aversão ao risco, e não de uma mudança na percepção sobre os fundamentos dos países. Segundo Carstens, as moedas devem se recuperar em relação ao dólar "num futuro próximo".

AE, Agencia Estado

25 de setembro de 2011 | 20h59

Carstens disse à imprensa, nos bastidores dos encontros do Fundo Monetário Internacional (FMI), em Washington, que os líderes da América Latina concordaram que os tumultos na solução do problema da dívida da Europa levaram os investidores institucionais a reduzir sua participação em mercados emergentes. Ele acrescentou que houve excesso de vendas de moedas da região.

De acordo com a autoridade, o México não está imune à crise, mas o governo fez muito para melhorar as finanças e expandir o comércio para além da super confiança nos Estados Unidos. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
América Latinacâmbio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.