finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Imagem Monica De Bolle
Colunista
Monica De Bolle
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Mola da grampola

Os anos Lula e Dilma foram pródigos no uso indevido de bancos públicos

Monica de Bolle, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2017 | 05h00

Mola da grampola, rebimboca da parafuseta, ou ainda rosqueta da parafuseta. Alguém fora do círculo dos economistas está conseguindo entender o debate sobre a criação da Taxa de Longo Prazo (TLP)? Fala-se de “custo de oportunidade”, de “subsídios implícitos”, santos ou não, do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), da Geni da República, o BNDES. Mas, como é de hábito no Brasil, vão ficando de lado as questões mais importantes enquanto todos se perdem nos meandros das molas das grampolas.

A primeira questão importante são os fundos de poupança forçada criados há décadas para fins diversos. O FAT, para custear o seguro-desemprego, o abono salarial, parte dos empréstimos concedidos pelo BNDES. O FGTS para garantir ao trabalhador alguma renda em caso de demissões que não sejam por justa causa, e para financiar o crédito habitacional concedido pela Caixa Econômica Federal, além de vários outros usos a que foi submetido ao longo do tempo. O FAT, hoje, rende a TJLP, taxa determinada pelo Conselho Monetário Nacional e inferior às taxas de aplicação do mercado. O FGTS rende a taxa referencial – a TR calculada pelo Banco Central com base no rendimento de diversos ativos – acrescentada de 3%. Em ambos os casos, as taxas de remuneração são inferiores ao que se poderia obter caso tais fundos não existissem e os recursos fossem dados diretamente ao trabalhador para que pudesse escolher o que fazer com o dinheiro. Na época em que tais fundos de poupança forçada foram criados – há muitos anos – a justificativa era de que fazia-se necessário montar fontes de financiamento para a rede de amparo ao trabalhador, para programas sociais, e programas de desenvolvimento. Para que pudessem existir, impostos e fontes de receita foram também criados para viabilizá-los. Portanto, os fundos de poupança forçada, ainda que tragam alguns benefícios, geram distorções na economia brasileira. É preciso saber o tamanho dessas distorções e dos custos e benefícios desses fundos para que se tenha clareza sobre sua real necessidade. Isso é mais importante do que qualquer discussão sobre a parafuseta do custo de oportunidade atrelada à remuneração do FAT por TJLP ou TLP.

A segunda questão diz respeito à TJLP, ao crédito direcionado, e ao BNDES. No Brasil, cerca de metade do crédito do sistema financeiro é direcionado, proveniente, em grande parte, dos banco públicos – BNDES, Banco do Brasil, e Caixa Econômica Federal. A maior parte desses empréstimos é, de algum modo, vinculada à TJLP. Desse imenso universo de crédito direcionado concedido a uma taxa que a Selic não influencia, cerca de 14% são oriundos do BNDES. Os 86% restantes vêm de outras entidades do sistema financeiro. O proclamado fim da TJLP – algo necessário para remover a segmentação no mercado de crédito brasileiro e promover a convergência para taxas de juros mais baixas mediante a MP 777 que cria a TLP – só afetará esses 14% do BNDES. Por que?

A terceira questão retorna ao FAT. Os recursos obtidos pelo BNDES do FAT e usados para emprestar ao custo TJLP correspondem a 7% do total de crédito concedido no País. Tal montante não merece sequer ser chamado de parafuseta.

Ressalto: nada disso tira a importância de acabarmos com subsídios onerosos aos cofres públicos, concedidos durante os anos Lula e Dilma a empresas com capacidade de financiar-se nos mercados local e internacional. Nada disso entra em conflito com a ideia correta de ter maior transparência nas contas públicas e na forma como o governo se vale do BNDES e de outros bancos públicos para alcançar certos objetivos. Os anos Lula e Dilma foram pródigos no uso indevido de bancos públicos, como tantas vezes escrevi. Contudo, parece que a discussão local sobre a TLP, ao concentrar-se em minúcias, o que é necessário, porém insuficiente, acaba por deixar de lado as grandes questões: precisamos de fundos de poupança forçada? O que queremos do BNDES e da Caixa Econômica Federal, cujo mandato foi desvirtuado nos anos Dilma. Por que não extinguimos o crédito direcionado?

Entre a mola e a grampola, seria importante que críticos e defensores de medidas diversas utilizassem o momento de discussão acirrada para refletir sobre questões mais amplas, maiores do que a parafuseta.

* ECONOMISTA, PESQUISADORA DO PETERSON INSTITUTE FOR INTERNATIONAL ECONOMICS E PROFESSORA DA SAIS/JOHNS HOPKINS UNIVERSITY

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.