Momento atual é de dificuldades, diz Dilma

Presidente ressaltou, no entanto, que Brasil está protegido pelo seu mercado interno

Luci Ribeiro e Sandra Manfrini, da Agência Estado,

23 de novembro de 2011 | 19h02

A presidente Dilma Rousseff disse há pouco que o Brasil não é uma ilha e que o momento atual é de dificuldades. "Nós não somos uma ilha. Mas não somos um país desprotegido. Pelo contrário. Somos um país protegido pelo seu imenso mercado interno", disse a presidente durante o encerramento do seminário promovido pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA).

Ela lembrou que, nos últimos anos, o governo tirou 40 milhões de pessoas da linha da pobreza e transformou o país, pela primeira vez, em um país de classe média. "A maior parte da nossa população é de classe média, o que torna o país mais protegido".

Em seguida, a presidente destacou que o Brasil tem hoje todos os mecanismos para enfrentar as adversidades que possam decorrer do aprofundamento da maior crise europeia.

A presidente destacou o volume de depósitos compulsórios existentes hoje nos bancos como uma proteção a mais ao país nesse momento de crise. "O nosso país sabe que ter R$ 440 bilhões em compulsórios depositados nos bancos nos permite enfrentar internamente qualquer problema de crédito sem recorrer de imediato ao nosso orçamento, o que muitos países do mundo não têm condições de fazer. Nós temos espaço para fazer política monetária. Nós temos uma política fiscal que é ao mesmo tempo uma consolidação fiscal e respeito à redução de todas as práticas absurdas de países desenvolvidos".

Dilma disse que, antes mesmo da atual crise aparecer, o governo brasileiro por sua conta própria reduziu todo o processo de ampliação do gasto, cortando R$ 50 bilhões em despesas. "Isso nós fizemos achando que o Brasil não pode se esquecer do que já conquistou. E o que conquistamos é crescer com estabilidade".

A presidente destacou a capacidade empreendedora e produtiva do País e lembrou que o País já aprendeu que "não é com recessão que se enfrenta a crise. É com crescimento também". "Crise também é oportunidade", destacou, recebendo muitos aplausos da plateia que prestigiou o evento da CNA.

Potência agropecuária

A presidente afirmou ainda que "o Brasil é hoje uma potência agropecuária" e destacou que o setor responde por 22,4% do Produto Interno Bruto. "Estou certa de que todos, mas todos mesmos, explícita ou implicitamente, sabem que o Brasil é hoje uma potência agropecuária. Além de produzirmos a maior parte dos alimentos que nossa população consome, somos os maiores produtores mundiais dos complexos de soja, açúcar, carne e produtos florestais", disse.

No seu discurso, ela fez um cumprimento especial aos sindicatos do setor presentes ao evento e exaltou, em vários momentos, os produtores do País, tidos por ela como verdadeiros "empreendedores e batalhadores incansáveis".

"Acredito que, sem dúvida, a agricultura deu uma contribuição essencial para termos chegado até aqui a esse momento em que o Brasil mostra sua força, capacidade e, sobretudo, um novo presente, mas um novo futuro, com perspectivas e todos reconhecem, tanto investidores, consumidores, população", disse. "Essa posição privilegiada do Brasil foi conquistada respeitando e fortalecendo a convivência e complementaridade de pequenos, médios e grande produtores", completou. "Temos um agronegócio dinâmico e pujante", afirmou Dilma, ressaltando que hoje O Brasil exporta produtos agrícolas para 214 destinos internacionais.

Tudo o que sabemos sobre:
potência agropecuáriaDilmacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.