Estadão
Estadão

Momento 'é um pouco prematuro' para BNDES captar recursos, diz Coutinho

Para o presidente do banco de fomento, é preciso esperar o mercado acalmar para ter liquidez e custos mais favoráveis

Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

04 Maio 2015 | 14h58

SÃO PAULO - O presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Luciano Coutinho, disse nesta segunda-feira, 4, que o momento é um pouco prematuro para uma possível captação de recursos. Coutinho evitou comentar sobre como a instituição pretende equacionar a captação em 2015 diante do ajuste fiscal na economia brasileira, mas disse crer que o banco de fomento conseguirá "atravessar bem o ano". 

Questionado sobre possível captação de R$ 15 bilhões este ano no mercado interno e externo, como revelou o Broadcast, serviço da Agência Estado, na semana passada, Coutinho não confirmou a operação. "É um pouco prematuro. Temos de esperar acalmar o mercado", declarou. "Nossa estratégica de captação depende de circunstância de mercado. Sempre fizemos captação no melhor momento, quando liquidez e o custo estão mais favoráveis", afirmou.


"Houve uma desaceleração de consultas, então creio que conseguiremos atravessar bem o ano de 2015, atendendo às nossas necessidades", afirmou em entrevista após a cerimônia de abertura da 2ª Feira Internacional do Plástico (Feiplastic). Ele destacou que o banco não exercerá "pressão sobre a dívida pública". "Isso já é uma premissa", disse.

O executivo informou ainda que a retirada da ressalva pela consultoria KPMG relacionada às perdas do banco acarretadas pela desvalorização da Petrobrás depende ainda da divulgação do plano de negócios da estatal. "Era uma ressalva transitória. Depende do balanço e do plano de negócios. Uma condição, portanto, ainda não foi atendida", explicou. Essa ressalva no balanço do BNDES encarece e dificulta a captação de recursos.

Mais conteúdo sobre:
economiaBNDEScaptação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.