Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Mônaco volta atrás e marca nova audiência sobre Cacciola

Parecer sobre pedido de extradição do ex-banqueiro terá de aguardar, no mínimo, até 13 de março

Andrei Netto, de O Estado de S. Paulo,

27 de fevereiro de 2008 | 15h36

Quando era esperada uma resposta para o pedido de extradição de Salvatore Cacciola feito pelo Ministério da Justiça, o Tribunal de Apelações de Mônaco voltou atrás nesta quarta-feira, 27, na decisão de encerrar o caso, marcou uma nova audiência para 13 de março e pediu esclarecimentos ao governo brasileiro. As dúvidas que pairam agora são se os recursos impetrados pelos advogados no Brasil foram ou não apreciados pela Justiça brasileira, o que pode influenciar na opinião dos magistrados do principado. Leia a íntegra da reportagem na edição desta quinta-feira de O Estado de S. Paulo Com o novo adiamento, Cacciola completará seis meses preso em Mônaco - um período que será debitado de sua pena, caso venha a ser extraditado para o Brasil. A reviravolta foi anunciada em breve palavras, no final da tarde desta quarta, pelo Ministério Público monegasco.  Por meio de um assessor, o procurador do caso, GérardDubes, mandou informar que o parecer do Tribunal de Apelações, cuja publicação era aguardada desde a terça-feira, 19 de fevereiro, não havia sido concluído e que uma nova audiência seria necessária. A data escolhida foi 13 de março, dois dias antes que a prisão de Cacciola em Monte Carlo complete seis meses. O MP não divulgou as razões do adiamento.

Tudo o que sabemos sobre:
Cacciola

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.