Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Monitor da FGV indica crescimento de 0,1% no PIB de outubro

Na comparação com o mesmo mês do ano passado, a alta foi de 2%; o monitor destaca o desempenho do setor de serviços e do consumo das familiar

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2019 | 11h38

RIO - O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro cresceu 0,1% em outubro em relação a setembro, segundo o Monitor do PIB, apurado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Na comparação com outubro do ano passado, a economia cresceu 2,0% em outubro deste ano. 

“A economia continuou sua trajetória expansiva em outubro, com destaque para o bom desempenho do setor de serviços e do consumo das famílias. Destaca-se que o crescimento do consumo é reflexo de resultados positivos em todos os seus componentes”, justificou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB-FGV, em nota oficial.

O Monitor do PIB antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das contas nacionais.

Na comparação com setembro, houve recuo em outubro no PIB da agropecuária e da indústria. Sob a ótica da demanda, tanto as exportações quanto a Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) registraram perdas.

“Com relação à FBCF, o resultado de outubro foi o segundo negativo na comparação mensal. Tais resultados podem sinalizar que, neste momento de implementação de reformas estruturais, a recuperação da economia está mais ancorada na expansão do consumo do que na dos investimentos”, completou Considera.

Em termos monetários, o PIB alcançou aproximadamente R$ 5,989 trilhões, em valores correntes, no acumulado de janeiro a outubro de 2019.

Os resultados divulgados nesta terça-feira, 17, pelo Monitor do PIB já incorporaram a revisão das informações de exportação anunciada pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia às vésperas da divulgação do PIB do terceiro trimestre pelo IBGE. A Secex anunciou no fim de novembro uma revisão dos dados das exportações brasileiras no mês, que somaram US$ 13,498 bilhões até a quarta semana de novembro, e não US$ 9,681 bilhões, como informado originalmente.

No dia 2 de dezembro, o órgão voltou a retificar informações anteriores, desta vez os dados de setembro e outubro. O valor exportado em setembro passou de US$ 18,921 bilhões para US$ 20,289 bilhões, enquanto o de outubro saiu de US$ 18,231 bilhões para US$ 19,576 bilhões. Com a nova correção, o volume de exportações aumentou US$ 6,488 bilhões no total, 3% do valor exportado no ano.

Segundo a Secex, um erro de programação na transmissão de dados pelo sistema do Serpro (Serviço Federal de Processamento de Dados) levou a uma contabilização menor dos dados de exportação brasileira. O Banco Central foi notificado e também corrigiria os dados do setor externo com os novos números.

O resultado oficial do PIB brasileiro do terceiro trimestre só incorporará essas revisões de dados das exportações brasileiras na divulgação do fechamento do ano, prevista para o dia 4 de março de 2020. O Monitor do PIB de outubro, que incorporou a correção nos dados referentes a setembro e outubro, registrou uma alteração no desempenho do PIB divulgado pelo IBGE para alguns componentes da demanda.

No terceiro trimestre de 2019 ante o segundo trimestre do ano, o Consumo das Famílias foi revisto de um avanço de 0,8% para 0,7%; as Exportações saíram de uma queda de 2,8% para recuo de 1,5%; e a FBCF permaneceu em 2,0%, calculou a FGV.

Na comparação com o terceiro trimestre de 2018, o Consumo das Famílias saiu de um avanço de 1,9% para 1,7% no terceiro trimestre de 2019; as Exportações saíram de uma queda de 5,5% para recuo de 3,3%; e a FBCF passou de alta de 2,9% para 2,8%. 

Tudo o que sabemos sobre:
PIB [Produto Interno Bruto]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.