Fotos públicas
Fotos públicas

Monitor da FGV indica crescimento do PIB no trimestre

Na comparação com 2018, atividade tem variação de 2,1% em setembro; índice no ano será revisto para cima

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2019 | 04h00

O Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre-FGV) já avalia elevar suas projeções para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro deste ano e de 2020, por conta do desempenho positivo da atividade econômica neste terceiro trimestre.

De acordo com o Monitor do PIB, divulgado na quinta-feira, 21, pela FGV, o indicador cresceu 0,3% na passagem de agosto para setembro. O indicador antecipa a tendência do principal índice da economia a partir das mesmas fontes de dados e metodologia empregadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), responsável pelo cálculo oficial das contas nacionais.

Por ora, o Ibre espera um crescimento de 1,1% no PIB de 2019, seguido por um avanço de 2,0% em 2020. Mas os números devem ser revistos para cima após o IBGE divulgar os dados das contas nacionais referentes ao terceiro trimestre – no próximo dia 3 de dezembro –, afirmou Claudio Considera, coordenador do Monitor do PIB.

“Eu fiquei um pouco mais otimista com os resultados deste trimestre, achando que a economia está voltando a crescer e pode estar abandonando essa armadilha do baixo crescimento”, afirmou Considera.

Em termos monetários, o PIB estimado pela FGV alcançou R$ 5,395 trilhões, em valores correntes, no acumulado de janeiro a setembro deste ano.

O Monitor mostrou ainda alta de 0,1% da atividade no terceiro trimestre do ano, ante o segundo trimestre. No período, houve crescimento no PIB de serviços (0,2%) e no PIB agropecuário (1,1%). O PIB industrial, porém, ficou estagnado, puxado por uma queda de 1,6% na indústria de transformação. “A indústria de transformação está sofrendo por causa da crise argentina”, disse Considera.

Na comparação com o mesmo período do ano passado, os números da economia soam mais animadores. A atividade econômica, de acordo com a pesquisa da FGV, cresceu 2,1% em setembro deste ano em relação ao mês de setembro de 2018. No terceiro trimestre de 2019, houve expansão de 0,9% ante o terceiro trimestre de 2018.

“Os resultados estão bastante bons, e acho que uma parte disso vem de uma melhora que começa a aparecer na economia mundial”, afirmou Considera. “E aprovar a reforma da Previdência foi um feito, e tem também as outras reformas vindo aí.”

Sob a ótica da demanda, o consumo das famílias cresceu 1,9% no terceiro trimestre em comparação ao mesmo trimestre de 2018. A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF, medida dos investimentos no PIB) aumentou 2,5%. As exportações recuaram 4,7%, enquanto as importações avançaram 2,1%.

Os resultados do Monitor do PIB para o terceiro trimestre já incluem as informações do PIB definitivo de 2017, divulgado recentemente pelo IBGE e que será incorporado pelo instituto na divulgação do PIB trimestral.

Para OCDE, economia avança ‘gradualmente’

A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) prevê a continuidade da recuperação da economia brasileira nos próximos anos, ainda que de maneira gradual. No documento Economic Outlook 2019 divulgado ontem, a entidade manteve suas projeções para o crescimento do PIB deste ano (0,8%) e de 2020 (1,7%) como no documento similar apresentado há dois meses e, pela primeira vez, apresentou sua estimativa para a expansão de 2021, de 1,8%. 

O documento ressaltou a aprovação da reforma previdenciária e citou que melhores perspectivas de progresso na reforma estrutural estão aumentando a confiança e apoiando o investimento, que também é impulsionado por condições financeiras mais flexíveis. / COLABOROU CÉLIA FROUFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.