Andre Dusek/ESTADÃO
Andre Dusek/ESTADÃO

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Monitoramento das queimadas da Amazônia

Governo Bolsonaro pode mudar política ambiental agora que desmatamento começa a torpedear os negócios do Brasil

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

23 de julho de 2020 | 19h04

Uma das afirmações recorrentes do vice-presidente da República, o general Hamilton Mourão, também coordenador do Conselho da Amazônia, é a de que os mecanismos de monitoramento das queimadas da Amazônia “são péssimos”.

É uma afirmação contestada e que possivelmente encobre certas coisas. Monitoramento é a capacidade de levantar o que está acontecendo, no caso, de conferir onde o desmatamento acontece e em que velocidade.

Não há nenhuma crítica séria sobre a qualidade do monitoramento feito no Brasil, especialmente na Amazônia. Desde 2005, o sistema Deter de satélites vem acompanhando a evolução de todos os focos de desmatamento e incêndio na Amazônia. Nenhum organismo internacional coloca em dúvida a qualidade dessas informações.

O problema não está no monitoramento. O cientista brasileiro Gilberto Câmara, hoje diretor secretário do Grupo de Observações da Terra (GEO, na sigla em inglês), com sede em Genebra, em conversa por telefone, confirma o que outros especialistas afirmam: “O problema não está nas informações obtidas por satélite, mas na incapacidade do governo brasileiro de fiscalizar, autuar e coibir o desmatamento nos lugares apontados pelo monitoramento”.

Por que, então, a insistência do general Mourão em apontar para a baixa qualidade do monitoramento? Câmara tem uma explicação e uma hipótese. A explicação é a de que o governo quer conduzir uma narrativa diferente da atual e que sirva a seus propósitos. Não está satisfeito com a transparência com que as informações do Deter foram colocadas à disposição da sociedade. Por isso, gostaria que fossem monopolizadas pelo Exército, que daria a elas o uso pretendido.

A hipótese do cientista é a de que lobbies interessados na venda de serviços de satélite se empenhem em desqualificar o Deter e, assim, em facilitar seus negócios por aqui.

Câmara observa que o governo brasileiro tem todas as informações sobre como se inicia e se propaga um desmatamento. Como conta com as informações do Cadastro Ambiental Rural (CAR), pode, também, identificar o proprietário da área e responsabilizá-lo judicialmente.

Para Câmara, a ideia de deslocar destacamentos do Exército para coibir queimadas na floresta não faz sentido. Essa é uma tarefa para ser executada pelo Ibama em conjunto com a Polícia Federal e as delegacias locais. “O combate ao desmatamento da Amazônia não é problema militar”, acrescenta.

Como o desmatamento deixou de ser apenas um crime ambiental e começa a torpedear os negócios do Brasil, tanto com exportações do agronegócio como também com investimentos estrangeiros no País, pode ser que o governo Bolsonaro pretenda agora mudar sua política no setor.

Câmara adverte que, se é mesmo para mudar, então é preciso começar com a substituição do ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, o mesmo que, naquela fatídica reunião ministerial de 22 de abril, defendeu que o governo aproveitasse o desvio da atenção da sociedade com a pandemia para deixar passar a boiada. “O ministro perdeu a credibilidade e é preciso confiança para adotar uma nova política”, diz Câmara.

CONFIRA

» O bolão da Europa

A decisão da União Europeia de criar um fundo de 750 bilhões de euros para ajudar a financiar a recuperação econômica depois da pandemia é um passo importante em direção à unidade fiscal. 

» Os três passos 

Há três passos em direção à integração econômica entre países: (1) a integração comercial, que começa com a área de livre comércio e depois evolui para a aduaneira (quando uma área de livre comércio dá o mesmo tratamento a bens e serviços vindos de fora do grupo); (2) união fiscal, quando, além de um orçamento comum, dispõe de regras de transferência; e (3) união monetária, quando o bloco adota uma moeda comum.

» Resposta política

A área do euro não tem uma união fiscal e, por isso, tem dificuldades em manter a união monetária. Agora, a decisão foi de transferir parte dos recursos sem a necessidade de devolvê-la. Avanço sem precedentes do bloco e resposta política às tentativas de fragmentação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.