Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Montadoras correm para lançar carros elétricos no próximo ano

Criação de veículos não poluentes mobilizou governos dos EUA, Japão e Europa, mas preço será alto no início

Cleide Silva, O Estadao de S.Paulo

08 de agosto de 2009 | 00h00

Abastecer o carro na tomada e rodar pelas ruas com a tranquilidade de não poluir o ar é um cenário que já se tornou realidade em alguns países, embora ainda em baixa escala. A lista vai aumentar a partir de 2010, quando várias montadoras prometem abastecer as lojas com modelos elétricos que, inicialmente, terão preços salgados.Nenhuma fabricante quer ficar de fora desse nicho, que ganha importância principalmente nos Estados Unidos, Europa e Japão, onde os governos incentivam o desenvolvimento do tão esperado carro limpo com subsídios para sua aquisição ou financiamento às empresas.Na semana passada, o presidente Barack Obama anunciou que dará às três montadoras americanas (GM, Ford e Chrysler) mais de US$ 400 milhões em recursos para apoio à fabricação de veículos elétricos e híbridos avançados.A ajuda faz parte de um programa para o setor de energia, que tem como objetivo reduzir a dependência do país da importação de petróleo, mas também é um esforço para não perder essa corrida para fabricantes europeus e japoneses.O Brasil não está alheio ao processo, embora ainda atue de forma tímida. Recentemente, montadoras e governo colocaram o tema em discussão. "Se decisões estão sendo tomadas mundo afora e podem ter impacto no médio e longo prazos no mundo automotivo, mesmo que regionalmente, nós temos de participar ativamente", diz o presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider.Ele acredita que a discussão passa pela definição da matriz energética do País para garantir o abastecimento desses veículos. O tema já foi tratado em encontros com a participação dos Ministérios de Ciência e Tecnologia, Minas e Energia e Meio Ambiente, mas, até agora, nada de concreto foi analisado.Fora do Brasil, várias montadoras prometem colocar carros elétricos à venda em larga escala a partir de 2010, e há uma corrida entre quem será a primeira. Várias delas fizeram parcerias para o fornecimento da bateria, o coração dos carros elétricos e o item que ainda é "o calcanhar de aquiles por causa da dimensão e custo", afirma Leonardo Cavaliere, supervisor de inovação e veículos especiais da Fiat do Brasil.O grupo Renault/Nissan mostrou há uma semana o Leaf, modelo que o presidente da empresa, o brasileiro Carlos Ghosn, chamou de o primeiro carro elétrico com emissão zero fabricado para atender a requisitos de viabilidade financeira do mundo real. Segundo a empresa, o modelo pode ser recarregado numa tomada doméstica de 220 volts em oito horas.Thomas Besson, presidente da Nissan do Brasil, diz que "há estudos de trazer o Leaf para o Brasil", mas não deu detalhes. Outro modelo que pode aportar em breve no País, apenas para testes, é o Mitsubishi MiEV, feito no Japão. A montadora está escolhendo países com diferentes temperaturas para o teste, e o Brasil pode ser um deles.Há várias tecnologias para os carros elétricos (leia abaixo). Algumas permitem o recarregamento em tomadas domésticas e outras exigem infraestrutura específica para evitar sobrecarga na rede. Todos os países que apostam no produto terão postos de recarga.O Volt, desenvolvido pela General Motors, pode ser recarregado na tomada doméstica e tem autonomia para rodar 64 quilômetros. Se a carga acaba, um motor a combustão (convencional) é acionado automaticamente."O carro pode ser carregado numa tomada normal, durante oito horas", diz Pedro Manuchakian, vice-presidente de engenharia da GM do Brasil. Uma boa solução, afirma, é fazer isso à noite, quando a rede está menos sobrecarregada.Segundo ele, o preço do Volt será maior do que um modelo convencional e inferior ao de um modelo híbrido. A própria GM decidiu desenvolver a bateria de ion-lítio junto com uma empresa especializada para acelerar o projeto, apresentado há dois anos.SEM RUÍDOO uso da energia para o Volt equivale ao de uma geladeira extra na casa, informa Plínio Cabral Júnior, diretor de engenharia eletroeletrônica da GM. O acionamento do carro é feito por um botão e não há ruídos. "Estudamos criar um ruído que imite o ronco do motor para motoristas que têm prazer em dirigir e querem sentir a performance do veículo", conta ele. A ausência de barulho foi uma das reclamações de clientes que testaram um dos 15 modelos Volt que já circulam pelos EUA.Estudo feito pela Universidade Califórnia prevê que os veículos elétricos e híbridos vão responder por 60% das vendas nos EUA a partir de 2030. Até lá, os preços desses modelos já estarão competitivos. Entre os modelos já disponíveis atualmente está o Roadster da Tesla, fabricante independente de modelos esportivos. O carro sai por US$ 109 mil.A alemã Daimler, dona da Mercedes-Benz, comprou recentemente 10% da Tesla, de olho na experiência da empresa em combustíveis alternativos. A montadora está testando o motor elétrico no minicarro Smart e pretende vender até 2012 no mercado europeu 10 mil unidades com essa tecnologia.Outra marca alemã que escolheu um compacto para popularizar sua tecnologia limpa é a BMW, que já espalhou diversos modelos Mini para serem testados por clientes na Europa. Por enquanto, as japonesas Honda e Toyota estão colocando mais fichas nos modelos híbridos, que combinam motores elétrico e a combustão.No Brasil, o carro flex (que roda com álcool ou gasolina) está dando conta do recado, ao menos por enquanto, afirma Manuchakian, da GM. Ele acredita que, em quatro a cinco anos, o carro elétrico poderá ser introduzido no País. Mas motocicletas movidas a energia elétrica já circulam em várias partes. Um posto de recarregamento foi instalado recentemente no Rio pela BR Distribuidora.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.