Montadoras do Japão veem queda de 13% nas vendas de 2008

Em 2008, vendas diminuíram devido à crise financeira e recuaram para os níveis registrados em 2004

Gustavo Nicoletta, da Agência Estado,

16 de fevereiro de 2009 | 17h24

As oito montadoras japonesas fabricantes de veículos de passeio preveem um total de vendas de 19,4 milhões de veículos em todo o mundo no ano fiscal 2008, que será encerrado em 31 de março. O número é 13% menor do que o registrado no ano fiscal anterior, segundo o jornal Nikkei.  Veja também:De olho nos sintomas da crise econômica Dicionário da crise Lições de 29Como o mundo reage à crise  Nos últimos três anos fiscais, as montadoras haviam aumentado as vendas anuais de veículos em um total de aproximadamente 1 milhão de unidades por ano, aproveitando a demanda de mercados emergentes como a China e a Índia. No ano fiscal 2007, as vendas cresceram 6,3%, para 22,38 milhões de unidades.  No ano fiscal 2008, no entanto, as vendas diminuíram devido à crise financeira, que se tornou aparente na segunda metade do ano passado, e recuaram para os níveis registrados no ano fiscal de 2004. Inicialmente, a indústria estimava um aumento de 3,7% nas vendas de veículos do ano fiscal 2008, para o recorde de 23,2 milhões de unidades, mas agora as estimativas são 3,8 milhões de unidades inferiores à meta original.  As vendas internacionais devem cair 17% em comparação à estimativa inicial, para 15,11 milhões de unidades neste ano fiscal, enquanto a projeção para as vendas domésticas é de declínio de 11%, para 4,29 milhões de unidades. As montadoras estão diminuindo a produção em fábricas instaladas em outros países e nas fábricas cuja produção é voltada para a exportação, a fim de se ajustarem ao desaquecimento na economia. As empresas devem produzir cerca de 4 milhões de veículos a menos do que havia sido previsto inicialmente para o ano fiscal 2008.  As oito montadoras operam quase 90 fábricas em todo o mundo, incluindo 20 no Japão. A diferença de 3,8 milhões de unidades entre a meta inicial da indústria e a estimativa atual para as vendas equivale à capacidade de produção de aproximadamente 20 fábricas, ou um quinto do total.  Para compensar o excesso de capacidade produtiva, as montadoras estão diminuindo os investimentos. A Toyota Motor, que havia alocado 1,4 trilhão de ienes para investimentos em todo o grupo neste ano fiscal, diminuiu o número para menos de 1 trilhão de ienes para o ano fiscal de 2009, de acordo com uma autoridade. A Suzuki Motor, por outro lado, pretende adiar o início das operações em fábricas na Rússia e na Tailândia em cerca de um ano. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
MontadorasJapão

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.