Mauricio Pavan/GM
Mauricio Pavan/GM

Montadoras suspendem a produção em junho

Em razão da crise, quatro fabricantes iniciam o próximo mês com máquinas paradas e outras empresas vão interromper trabalhos ao longo do mês

Cleide Silva, Igor Gadelha, O Estado de S. Paulo

28 Maio 2015 | 05h00

O mês de junho vai começar com quatro montadoras paradas e pelo menos 34,7 mil trabalhadores em casa, em férias coletivas ou licença. Sem perspectivas de melhora nas vendas e ainda com estoques elevados, fabricantes de veículos suspenderão a produção ou vão operar parcialmente a partir da próxima semana.

A General Motors interrompe toda a produção de automóveis na fábrica de São Caetano do Sul (SP) praticamente o mês todo - de 1.º a 28 de junho. Os cerca de 5,5 mil trabalhadores da produção terão férias coletivas no período. Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos local, Aparecido Inácio da Silva, “cerca de 8 mil carros deixarão de ser produzidos”.

O sindicalista calcula que a unidade tenha 80 mil carros em estoque. Na filial de São José dos Campos (SP), também estão previstas férias coletivas em junho para 1,7 mil trabalhadores do setor de veículos, mas a data ainda não foi divulgada. A GM não comentou o assunto.

Silva informa ainda que a GM insiste na demissão de 819 metalúrgicos que devem voltar de lay-off (suspensão temporária dos contratos) no dia 9. Na unidade, há ainda outros 900 operários em lay-off até outubro.

Na Mercedes-Benz de São Bernardo do Campo (SP) os 7 mil funcionários da produção ficarão em casa por 15 dias, a partir de segunda-feira, período em que as linhas de caminhões e ônibus serão interrompidas. A empresa também conclui nesta quinta-feira a demissão de 500 funcionários que estão em lay-off.

Também em São Bernardo, os 3,4 mil operários da Scania ficarão em casa na primeira semana do mês. Já os 2,8 mil trabalhadores da Ford em Camaçari (BA) retornam de dez dias de férias coletivas no dia 4.

A Fiat vai parar toda a produção em Betim (MG) de 8 a 12 de junho, e dispensará 16 mil metalúrgicos. No dia 1.º, 2 mil deles retornam de férias de 20 dias.

Vendas. Até terça-feira, foram vendidos no País 171,7 mil veículos, queda de 24,3% ante igual intervalo de 2014. Em relação a abril, a queda é de 2,3%. No primeiro quadrimestre, as vendas caíram 19% ante 2014.

Na segunda-feira, entram em lay-off 230 trabalhadores da Volkswagen em São Bernardo, segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. A empresa também tem 570 funcionários nessas condições na fábrica de São José dos Pinhais (PR) e 370 na de Taubaté (SP).

O Sindicato dos Metalúrgicos de Juiz de Fora (MG) informa que dois grupos de até 120 trabalhadores devem entrar em lay-off em julho e em novembro na fábrica da Mercedes. Atualmente, há 100 operários com contratos suspensos na unidade, com retorno previsto na segunda-feira. O diretor do sindicato, Antônio Carlos de Souza, diz que a empresa propôs valor inferior aos R$ 6,5 mil pagos em 2014 em Participação nos Lucros e Resultados. “A Mercedes diz que está perdendo R$ 2 milhões por dia no Brasil e que teria de dividir esse prejuízo.”

Na Volvo, em Curitiba (PR), a produção segue parada em razão de greve iniciada no dia 8.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.