Fábrica da chinesa Chery, inaugurada em agosto, mas que iniciou a produção há duas semanas
Fábrica da chinesa Chery, inaugurada em agosto, mas que iniciou a produção há duas semanas

Montadoras têm ociosidade recorde

Fábricas de automóveis devem operar este ano com pouco mais da metade de sua capacidade de produção de 5,6 milhões de veículos

CLEIDE SILVA, O Estado de S.Paulo

22 Fevereiro 2015 | 02h05

A indústria automobilística brasileira vai operar este ano e o próximo com metade de sua capacidade instalada. O cálculo leva em conta os projetos que serão inaugurados nesse período. Novas fábricas, entre elas a da Fiat, em Goiana (PE) e a da Honda, em Itirapina (SP), além de ampliações previstas em unidades mais antigas, vão adicionar uma capacidade produtiva de quase 800 mil veículos ao parque automotivo.

Com isso, a capacidade anual conjunta das montadoras deve saltar das atuais 4,8 milhões de unidades para 5,6 milhões, segundo cálculos da Tendências Consultoria. A demanda prevista para este ano é de pouco mais de 3 milhões de unidades. Significa que o setor vai operar com 53% de sua capacidade, porcentual que muda pouco em 2016.

Com este cenário, na visão de analistas, as montadoras tendem a manter os ajustes que já estão promovendo, com a redução do quadro de pessoal e possivelmente de investimentos. No ano passado, o setor eliminou 12,4 mil vagas de trabalho. Neste ano já foram 400 demissões em janeiro e a maioria das grandes fabricantes está com medidas de corte de produção.

O setor não operava com ociosidade tão elevada desde o período 1999-2003, na sequência de um boom de novas montadoras que chegaram ao País, entre elas a Toyota e a Renault. Na época, o País enfrentava rescaldos da crise externa, alta de juros e mudança do regime cambial.

No mundo todo, a indústria automobilística deve trabalhar com 72% de sua capacidade, prevista em 124,2 milhões de veículos neste ano e 131 milhões em 2016, segundo dados da PricewaterhouseCoopers (PwC).

O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Luiz Moan, diz que a entidade prepara estudo sobre os dados de capacidade das fábricas. O último número divulgado é de 4,5 milhões de veículos.

"Independentemente do número, o certo é que temos atualmente uma alta ociosidade", admite Moan. Ele ressalta, contudo, que não se pode contabilizar a capacidade total de uma fábrica no primeiro ano de operação, pois há um tempo para maturação do projeto. Também é preciso levar em conta o número de turnos necessários para atingir a produção prevista.

Cenário. A nova leva de empresas inicia operações num momento em que o Brasil está à beira de uma recessão, que pode ser ampliada pela escassez de água e energia elétrica e pelos desdobramentos da Lava Jato.

A produção de veículos caiu 15,3% no ano passado em comparação a 2013. O uso da capacidade instalada baixou de 77% para 62%. Para este ano, a previsão é de cair mais nove pontos.

"Esse cenário de forte deterioração que prossegue em 2015 e 2016 pode levar à postergação de projetos que ainda não estejam adiantados", diz Rodrigo Baggi, analista do setor automotivo da Tendências.

"É possível que haja um contingenciamento de investimentos e alguns lançamentos sejam postergados", admite o executivo de uma grande montadora.

Os projetos mapeados pela Tendências para este e o próximo ano são os das novas fábricas da Fiat, que iniciou produção na semana passada (com capacidade para 250 mil carros), Honda (120 mil), Audi (26 mil), Mercedes-Benz (20 mil), Jaguar Land Rover (24 mil) e JAC Motors (100 mil), além de ampliações anunciadas por Volkswagen, Ford, PSA Peugeot Citroën e Mitsubishi.

O projeto da chinesa JAC está atrasado em mais de um ano. Após vários anúncios, o início das obras em Camaçari (BA) agora está previsto para abril, com término no meio de 2016.

A também chinesa Chery, inaugurada em agosto, só iniciou produção comercial há duas semanas. Com capacidade para 50 mil veículos anuais, espera produzir 30 mil este ano.

O Brasil tem hoje 23 plantas que produzem automóveis e comerciais leves e mais cinco serão inauguradas até 2016. Vários dos novos investimentos foram definidos em razão do programa Inovar-Auto, que incentiva a produção local com benefícios fiscais e aumenta impostos para importações.

Para o sócio da MB Associados, José Roberto Mendonça de Barros, o Inovar-Auto não é um bom programa justamente porque ao longo do tempo cria-se um excesso de produção de veículos. "Tem o erro de colocar um muro de proteção tão elevado que obrigou mesmo montadoras de carros mais de luxo a abrir fábricas aqui."

Em sua opinião, não faz sentido abrir uma fábrica em escala não econômica só para escapar do alto imposto da importação. "O erro básico do Inovar-Auto foi projetar uma tendência de crescimento do mercado que era temporária. E agora, como consertar isso? Ou começa a exportar ou vai sobrar capacidade de produção para o resto da vida." O ponto positivo, diz o consultor, é que foi a primeira vez que se estabeleceram condições de contrapartida das empresas, como a redução de consumo de combustível.

Para Moan, a situação sem o Inovar-Auto seria pior. "Do total de vendas de carros, já chegamos a ter 30% de importados", diz. "Se continuássemos nesse ritmo, talvez hoje metade das nossas vendas seria de importados e estaríamos com um problema ainda mais grave de produção e empregos."

Mais conteúdo sobre:
indústria automobilística

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.