finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Montadoras vão deixar de produzir 200 mil carros

Com férias coletivas, setor não vai atingir meta de fabricar 3,4 milhões de veículos este ano

Cleide Silva, O Estadao de S.Paulo

29 de novembro de 2008 | 00h00

A indústria automobilística brasileira, sexta maior no ranking mundial, vai deixar de produzir, por causa das férias coletivas de novembro e dezembro, cerca de 200 mil carros. Isso equivale a dois terços do ritmo de produção mensal que vinha sendo registrado antes da crise global - em setembro, quando os reflexos da crise no País ainda eram pequenos, foram produzidos 300 mil veículos.A conta leva em consideração os dias úteis em que as linhas de montagem ficarão desativadas e toma como média diária de produção os volumes dos dez meses deste ano, confirmados pelas montadoras, e as programações previstas para novembro e dezembro. As quatro maiores montadoras - Fiat, Volkswagen, General Motors e Ford - respondem por cerca de 70% da produção brasileira.Férias coletivas de fim de ano são uma tradição no setor há vários anos. A diferença, desta vez, é que os períodos de descanso estão mais longos, principalmente em relação aos dois últimos anos, quando algumas empresas chegaram até a suspender as folgas, por causa da demanda aquecida.As empresas alegam que as férias coletivas são uma forma de adequar os volumes de produção à demanda e de evitar chegar a 2009 com pátios cheios de veículos produzidos em 2008. No fim de outubro, montadoras e concessionários tinham quase 300 mil veículos em estoque, equivalentes a 38 dias de vendas.Com o anúncio, na quinta-feira, das férias coletivas na Mercedes-Benz e na Volkswagen Caminhões, já chega a aproximadamente 75 mil o total de trabalhadores das montadoras que ficarão em casa por prazos diferentes nesse fim de ano - quase 60% de toda a força de trabalho do setor. Fornecedores de autopeças, que, juntos, empregam 231,2 mil trabalhadores, também devem seguir as montadoras nas paralisações.Com a paradas das linhas por períodos mais longos do que os previstos antes da crise, as montadoras não vão atingir a meta de produção prevista para este ano, que era de 3,4 milhões de veículos. Para alcançar essa meta, as empresas deveriam fabricar pouco mais de 500 mil unidades entre novembro e dezembro, o que dificilmente ocorrerá. O número final, de qualquer forma, vai superar o recorde de 2007, de 2,97 milhões de veículos fabricados para o mercado interno e exportações.O presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Jackson Schneider, também já admitiu que dificilmente será atingida a meta de vender, no mercado interno, 3 milhões de carros, comerciais leves, caminhões e ônibus. Para alguns executivos, o número final deve ficar perto de 2,8 milhões - ainda assim, outro recorde.CRÉDITOO diretor da Associação Nacional dos Executivos de Finanças (Anefac), Andrew Frank Storfer, disse que o crédito para o financiamento de veículos aos poucos está voltando ao mercado, em condições próximas daquelas oferecidas um pouco antes da crise. Planos de até 60 meses e entrada de zero a 20% do valor do carro estão entre as ofertas, principalmente nos bancos das montadoras, que têm à disposição R$ 8 bilhões em financiamentos liberados pelo Banco do Brasil e a Nossa Caixa."O juro não baixou, necessariamente, mas, nesse setor, o que ajuda mais é o prazo longo e entrada menor", diz Storfer. Para ele, o Brasil vive uma "crise de liquidez, e não de demanda".Para alguns analistas, também há uma crise de confiança. No período de 1º a 25 de novembro, as vendas no País somavam 144 mil veículos, uma queda de quase 24% em relação ao mesmo período de outubro, mês em que os negócios já foram 11% inferiores aos de setembro, quando foram comercializados 268,7 mil carros, entre modelos nacionais e importados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.