Moody?s: área fiscal é empecilho

A agência Moody?s divulgou comunicado ontem reafirmando que a questão fiscal continua sendo o principal empecilho do Brasil para a conquista do grau de investimento pela instituição. "A Moody?s tem repetidamente enfatizado a importância dos fatores fiscais como principal determinante para o rating do Brasil", disse, em nota, o vice-presidente da Moody?s, Mauro Leos. Ele é o responsável pela nota brasileira. Na escala da agência, falta um degrau para o Brasil chegar ao grau de investimento. De acordo com a Moody?s, os fatores adicionais que vão influenciar a perspectiva de crédito no médio prazo incluem melhorias contínuas no perfil da dívida doméstica, que se refletirão no alongamento da maturidade e redução dos riscos de rolagem da dívida. Como os desafios fiscais são amplamente decorrentes do crescimento real dos gastos primários, reformas que contribuem para mitigar a tendência ascendente e o componente não discricionário dos gastos do governo (previdência social, por exemplo) são considerados necessários para reduzir as pressões de médio prazo nas contas fiscais, acrescentou Leos."A perspectiva para o rating soberano do Brasil depende do fortalecimento das contas do governo e do perfil da dívida, que diminuiriam consideravelmente as vulnerabilidades de um modo geral, assim como asseguraria uma convergência sustentada em direção de indicadores de crédito mais alinhados com a classificação grau de investimento", observou o analista. PAULA LAIER, CÉLIA FROUFE e LUCIANA XAVIER

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.