carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Moody’s coloca rating da Espanha em revisão

Agência de classificação citou as necessidades de refinanciamento do país e a pressão para recapitalizar os endividados bancos espanhóis 

Danielle Chaves, da Agência Estado,

15 de dezembro de 2010 | 08h12

A agência de classificação de risco Moody's Investors Service alertou que pode rebaixar o rating de dívida do governo da Espanha, citando as necessidades de refinanciamento do país no próximo ano e a pressão para recapitalizar os endividados bancos espanhóis.

A Moody's colocou os ratings Aa1 em moeda local e estrangeira da dívida do governo da Espanha e do fundo de socorro para os bancos, o FROB, que tem garantias do governo, em revisão para possível rebaixamento. Segundo a agência, um rebaixamento pode ser provocado pela "vulnerabilidade da Espanha a estresses por causa de fundos, dada a alta necessidade de refinanciamento em 2011", um problema que "recentemente tem sido amplificado pela frágil confiança do mercado".

O problema de dívida da Espanha pode piorar "se o custo da recapitalização dos bancos se mostrar maior do que o esperado", afirmou a Moody's, acrescentando que existem preocupações sobre se o país poderá alcançar a necessária "melhora sustentável e estrutural".

"No entanto, a Moody's também quer destacar que continua vendo a Espanha como um crédito muito mais forte do que outros países da zona do euro", observou Kathrin Muehlbronner, analista da agência. "Isso é refletido no rating soberano significativamente alto da Espanha", afirmou. A analista disse também que a Moody's "não acredita que a solvência da Espanha está ameaçada" e que o cenário básico não assume a hipótese de o país precisar de suporte de liquidez da Linha de Estabilidade Financeira Europeia (EFSF, na sigla em inglês).

Euro cai

O euro caiu diante do dólar e se aproximou de uma mínima recorde diante do franco suíço depois que a agência de classificação de risco Moody's alertou que pode rebaixar o rating Aa1 do governo da Espanha. O movimento mostrou que os problemas de dívida na zona do euro continuam no foco dos mercados financeiros, depois do socorro à Grécia e à Irlanda neste ano.

"A notícia pressionou o euro e gerou temores de que um contágio possa se estender para o mercado de bônus da Espanha", afirmou Jane Foley, analista do Rabobank em Londres. O euro caiu para a mínima intraday de US$ 1,3289, e chegou a 1,2790 franco suíço - perto da mínima histórica de 1,2765 franco suíço, atingida em setembro. Às 7h35 (de Brasília), o euro caía para US$ 1,3318, de US$ 1,3374 no fim da tarde de ontem.

O custo do seguro da dívida soberana da Espanha contra default aumentou. O spread dos swaps de default de crédito (CDS) subiu 9 pontos-base, para 332 pontos-base, de acordo com a Markit. O prêmio (yield) que os investidores pedem para manter dívida do governo da Espanha também subiu - o dos bônus de 10 anos se ampliou em 9 pontos-base, para 5,59%. A diferença (spread) entre o yield da dívida espanhola e o da dívida da Alemanha - que é visto como o mais seguro entre os 16 países da zona do euro - aumentou 7 pontos-base, para 254 pontos-base, de acordo com a Tradeweb.

"Esse alerta pode não ser uma surpresa, mas vindo no dia seguinte de um leilão difícil e com mais oferta de papéis de longo prazo prevista para amanhã, provavelmente vai levar a um aumento ainda maior no spread", comentou Gary Jenkins, diretor de pesquisa de renda fixa da Evolution Securities em Londres. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.