Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Moody’s decide nova alta da nota do Brasil este ano

Perspectiva da nota soberana do País será revisada no fim do ano, quando a agência vai decidir se eleva ou não a atual classificação da dívida brasileira 

Fábio Alves, enviado especial da Agência Estado,

19 de março de 2012 | 22h45

A agência de classificação de risco Moody’s vai revisar a perspectiva da nota soberana do Brasil no fim deste ano para decidir se elevará ou não o rating do País, informou Mauro Leos, vice-presidente da Moody’s e principal analista da agência para o Brasil.

A Moody’s está com a perspectiva positiva do rating soberano brasileiro, atualmente em Baa2, desde junho do ano passado, quando a agência de classificação de risco melhorou a nota brasileira pela última vez.

Até então, o Brasil era classificado com a nota Baa3. Se decidir elevar o rating, a nota de risco do Brasil subirá para Baa1, igual à do México, mas ainda abaixo da nota do Chile, que está em Aa3, a mais alta na América do Sul.

"Vamos analisar na segunda metade deste ano, porém mais para o final, a nossa posição em relação à perspectiva positiva do rating soberano brasileiro", afirmou Leos em entrevista exclusiva à Agência Estado durante encontros paralelos à reunião anual do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), encerrada ontem em Montevidéu.

Mudança. Segundo Leos, a favor de uma elevação da nota brasileira está uma maior e melhor coordenação entre as políticas fiscal e monetária no governo Dilma Rousseff. "É também positivo o compromisso da gestão Dilma Rousseff com uma responsabilidade fiscal em termos da preservação das metas de superávit primário", disse Leos. "Também vejo sinais de maior transparência em relação à gestão da política fiscal, o que era uma fonte de preocupação no final do governo anterior."

Ele reconhece que ainda há um debate sobre o quanto deveria ser feito pela política fiscal e o quanto pela política monetária para atingir os objetivos do governo, mas o fato de que as duas políticas seguem na mesma direção, e não em direções opostas como no governo anterior, é algo positivo na avaliação do risco soberano brasileiro, disse Leos.

Ele disse não considerar como um fator negativo para a melhora do rating brasileiro o ritmo mais rápido na redução da taxa básica de juros pelo Banco Central, que cortou a Selic em 0,75 ponto porcentual, para 9,75% ,na última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). "Não acho que o BC prejudicou o seu compromisso com a sua meta de inflação com o último corte", disse Leos.

Como obstáculo à elevação da nota a partir da perspectiva positiva, Leos citou a volatilidade da taxa de crescimento do PIB brasileiro, cuja taxa de expansão caiu para 2,7% em 2011 depois de ter crescido 7,5% em 2010.

"O padrão do desempenho da economia brasileira tem sido um tanto errático nos últimos anos", argumentou. Leos estima para 2012 um crescimento ao redor de 3% do PIB brasileiro. "É uma estimativa conservadora", acrescentou.

Segundo ele, os economistas da Moody’s ainda mantêm um cenário com reservas em relação ao crescimento global para 2012, o que acaba afetando as projeções de expansão do PIB dos países latino-americanos. 

Tudo o que sabemos sobre:
Moody´sBrasilrating

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.