Moody’s diz que déficit de R$ 159 bi não afeta credibilidade do governo

Moody’s diz que déficit de R$ 159 bi não afeta credibilidade do governo

Agência de classificação de risco diz que agenda de reformas afeta avaliação sobre perspectivas do País, que foram rebaixadas

Ricardo Leopoldo, correspondente, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2017 | 21h49

NOVA YORK - Uma eventual mudança na meta fiscal de 2017, que hoje prevê um rombo de até R$ 139 bilhões nas contas do governo, não representaria uma perda de credibilidade da equipe econômica, disse Samar Maziad, vice-presidente e principal analista para o Brasil da agência de classificação de risco Moody’s.

O governo já trabalha com a possibilidade de elevar a meta para um rombo de até R$ 159 bilhões, mesma cifra do ano passado – o que, na avaliação de Maziad, “não será uma alteração significativa”, pois esse resultado negativo do Orçamento como proporção do PIB passaria de 2,4% para 2,5%. “A equipe econômica enfatiza a agenda de reformas de médio prazo e a solidez da economia”, apontou. “Se depois ocorrerem mudanças e mais mudanças de meta fiscal será outra história.”

Para a vice-presidente da agência de classificação de risco, a credibilidade da equipe econômica e do governo está mais relacionada à aprovação de reformas estruturais, sobretudo as que vão corrigir a trajetória da expansão dos gastos públicos no médio prazo, como a da Previdência. “Eventos políticos podem ter enfraquecido o embalo da reforma da Previdência”, comentou, numa referência às denúncias do empresário Joesley Batista contra o presidente Michel Temer.

Na avaliação de Samar, dois fatores ajudariam a melhorar as contas públicas no curto prazo: a volta do crescimento do País e a redução dos juros com a inflação sob controle, o que já ocorre com o movimento de distensão de política monetária que está sendo realizado pelo Banco Central. “As reformas fiscais são importantes no médio prazo, para conter despesas do governo”, afirmou.

A Moody’s rebaixou a perspectiva do Brasil de neutra para negativa em maio, depois que foram divulgados diálogos de Joesley Batista com o presidente Temer. A nota BB foi mantida. Perguntada sobre o que será necessário para que a perspectiva do País receba uma elevação e volte para a estabilidade ela foi direta: “Melhora da economia, com retomada do crescimento, inflação em baixa permitindo redução de juros e o progresso de reformas.” Ela apontou que uma reavaliação da perspectiva pode ocorrer num horizonte entre 12 e 18 meses, ou seja, entre maio e novembro de 2018.

+ ECONOMISTAS QUESTIONAM EFICÁCIA DA META FISCAL

Previdência. Samar destacou que aprovação da reforma previdenciária será um bom sinal para o perfil de crédito soberano do Brasil. “Será grande avanço a aprovação da proposta da Previdência alterada pelo Congresso”, comentou. “Para ocorrer a mudança do rating soberano são necessários outros fatores, como a evolução do quadro econômico e o progresso das reformas estruturais.”

Samar Maziad referia-se ao projeto substitutivo do relator da matéria na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), que foi aprovado pela Comissão Especial da Reforma da Previdência na segunda semana de maio. A proposta fixa idades mínimas de aposentadoria de 62 anos para a mulher e 65 anos para o homem, mas essas idades serão alcançadas até 2038. Está previsto também um aumento paulatino do tempo de contribuição mínimo de 15 para 25 anos.

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Tendências:

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.