Reuters
Reuters

Moody's põe ratings de alguns Estados e municípios em revisão para rebaixamento

Após ameaça de rebaixamento da nota de crédito brasileira, agência também revisou notas de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Maranhão, além de Belo Horizonte e Rio de Janeiro

Danielle Chaves, O Estado de S.Paulo

10 de dezembro de 2015 | 14h14

SÃO PAULO - A agência de classificação de risco Moody's colocou os ratings dos estados de São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Maranhão e dos municípios de Belo Horizonte e Rio de Janeiro em revisão para possível rebaixamento. Em comunicado, a Moody's afirma que a decisão segue à anunciada ontem de colocar em revisão para possível rebaixamento o rating do Brasil.

"Fatores macroeconômicos e institucionais ligam proximamente a qualidade do crédito dos governos estaduais e municipais no Brasil ao do governo federal", afirmou a agência. Segundo a Moody's, "a deterioração da economia do Brasil tem e continuará tendo impacto direto sobre o ambiente operacional dos estados e municípios brasileiros".

A Moody's acrescentou que os ratings atribuídos são sustentados por uma forte estrutura institucional e pela firme supervisão do governo federal sobre estados e municípios. "A agência continua vendo a estrutura institucional do Brasil como positiva para o crédito dos estados e municípios", afirmou.

Seguem abaixo as classificações dos estados e municípios pela Moody's:

- São Paulo: Baa3 em escala global em moeda local e estrangeira

- Minas Gerais: Ba1 em escala global em moeda local e estrangeira

- Paraná: Ba1 em escala global em moeda local e estrangeira e Aa2.br em escala nacional em moeda local e estrangeira

- Maranhão: Ba2 em escala global em moeda local e estrangeira e Aa3.br em escala nacional em moeda local e estrangeira

- município de Belo Horizonte: Ba1 em escala global em moeda local e estrangeira

- município do Rio de Janeiro: Baa3 em escala global em moeda local e estrangeira e Aaa.br em escala nacional em moeda local

Mais conteúdo sobre:
Crédito

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.