seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Morales demite presidente de estatal petrolífera boliviana

O presidente da Bolívia, Evo Morales, destituiu nesta segunda-feira, 28, o principal executivo da companhia petrolífera estatal YPFB, Jorge Alvarado, acusado de infringir o decreto de nacionalização do setor. Outros altos funcionários do setor também foram demitidos, anunciou a emissora de TV oficial.O novo presidente da Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB) é Juan Carlos Ortiz, até então vice-presidente de administração, contratos e fiscalização da empresa.Além disso, Morales nomeou o advogado Santiago Berríos como novo superintendente de Hidrocarbonetos, em substituição a Víctor Hugo Sáinz, que apresentou a denúncia contra Alvarado.O presidente boliviano também designou Guillermo Aruquipa, um dos assessores da nacionalização, como vice-ministro de Prospecção e Produção do Ministério de Hidrocarbonetos.Foram destituídos, além disso, o diretor jurídico do organismo regulador, Ramiro Ergueta, e a diretora de análise econômica Tatiana Genucio, que elaboraram o relatório contra Alvarado.O ex-presidente da YPFB foi acusado de infringir as normas da nacionalização ao assinar um contrato com uma intermediária para exportar petróleo ao Brasil. A companhia petrolífera estatal tem o monopólio da comercialização dos hidrocarbonetos no país.Morales afirmou acreditar na inocência de Alvarado, e voltou a denunciar uma "conspiração" contra a nacionalização. O presidente culpou a oposição pelo período de incerteza vivido durante o último mês."O companheiro Alvarado é incorruptível", disse o governante.A superintendência do setor suspendeu o contrato assinado por Alvarado, que supostamente causaria perdas de cerca de US$ 37 milhões ao Estado.A denúncia, que ainda está sendo investigada pela Procuradoria de La Paz, foi refutada por Alvarado."As denúncias serão julgadas pelos órgãos competentes", afirmou Morales.Em sua carta de renúncia, o ex-executivo afirmou que as acusações são "falsas", e culpou a oposição por tentar criar um suposto ato de corrupção na YPFB.Os novos funcionários tomaram posse diante de Morales, do vice-presidente Álvaro García Linera e o ministro de Hidrocarbonetos, Andrés Soliz Rada, que na semana passada recebeu uma moção de censura da maioria opositora no Senado.

Agencia Estado,

28 de agosto de 2006 | 18h55

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.