finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Morales diz que nacionalização de hidrocarbonetos não fracassou

A nacionalização dos hidrocarbonetos na Bolívia não fracassou, afirmou nesta segunda-feira o presidente do país, Evo Morales, que prometeu "uma surpresa" no convênio energético que assinará com a Argentina na próxima quinta-feira.O governante defendeu a nacionalização das reservas petrolíferas em uma manifestação realizada na cidade de El Alto, em comemoração aos três anos da mobilização popular que terminou com a renúncia do então presidente Gonzalo Sánchez de Lozada.Morales disse que o decreto de nacionalização que assinou em maio passado continua vigente, ao contrário do que sustentam alguns analistas políticos e econômicos.Para demonstrar sua decisão, anunciou que hoje enviou ao Congresso o projeto de lei para "recriar" a estatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), que terá o monopólio de toda a produção petrolífera.Segundo o decreto de maio, essa "recriação" deveria acontecer em 1º de julho deste ano.Morales acrescentou que na quinta-feira assinará com seu colega argentino, Néstor Kirchner, na cidade oriental de Santa Cruz, um novo contrato de exportação de gás natural, que quadruplicará o volume enviado atualmente e incluirá um convênio para industrializar esse combustível em solo boliviano."Na quinta-feira vem do gás uma surpresa", prometeu o governante, ao indicar que assinará com Kirchner "um novo acordo de industrialização e exportação".As autoridades bolivianas negociaram com a Argentina a instalação de uma fábrica de separação de líquidos que contém o gás, antes de vendê-lo a esse mercado, para obter um maior valor agregado e procurar melhores preços para esse recurso natural.O chefe de Estado, que continua sendo líder do sindicato de cocaleiros, assegurou que a nacionalização petrolífera avança "passo a passo".Na manifestação, Morales agradeceu aos habitantes de El Alto pelo sacrifício que realizaram em 2003, quando as organizações sindicais e populares da cidade, vizinha a La Paz, realizaram manifestações diárias contra Sánchez de Lozada, até obrigá-lo a renunciar.Os cidadãos de El Alto, que repudiaram o projeto de exportar gás para a América do Norte pelo território do Chile, hoje prestaram homenagem aos 60 mortos nesses protestos e reivindicaram a extradição do ex-governante, que está nos Estados Unidos.Morales disse que instruiu seus embaixadores para que busquem o apoio de todo o mundo para "a expulsão de Sánchez de Lozada" do território americano."O melhor que os EUA podem fazer é expulsar" Sánchez de Lozada, "se de fato defendem a democracia e os direitos humanos", enfatizou o governante.Por outro lado, Morales admitiu que seu Governo não pode expulsar a Aguas del Illimani, filial boliviana da multinacional francesa Suez Lyonnaise dês Eaux, acusada de descumprir sua concessão nas cidades de El Alto e La Paz."O problema é que, se a expulsarmos, não conseguiremos crédito para El Alto, e por isso decidimos demonstrar legalmente que a empresa tem que sair", disse, ao confirmar que as autoridades negociam a saída da empresa.O governante também assegurou aos habitantes de El Alto que seu Governo nacionalista, indigenista e de esquerda, instalado há quase nove meses, continua firme em seu propósito de mudar as estruturas da Bolívia.Morales afirmou que seu projeto continua, apesar das ações da oposição, como o "terrorismo financeiro" que constantemente anuncia crises do sistema bancário e a deterioração geral da economia.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.