Morales diz que tentou avisar Brasil sobre nacionalização

O presidente da Bolívia, Evo Morales, afirmou nesta quinta-feira, em entrevista em Viena, Áustria, onde será realizada a IV Reunião de Cúpula dos países da União Européia, Caribe e América Latina, que tentou antecipar ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva os termos do decreto que nacionalizou o setor do gás no seu país e levantou a suspeita de que assessores do Palácio do Planalto teriam bloqueado esse contato. "Dias antes da nacionalização eu procurei o companheiro Lula por todos os lados. Creio que os seus colaboradores o bloquearam", afirmou. "Depois que eu anunciei, (o governo brasileiro) me convocou para falar com ele", completou.Morales apresentou essa versão ao ser questionado por que não havia relacionado a Espanha e o Brasil entre os países que dão apoio incondicional a Bolívia. No caso do Brasil, Morales simplesmente não respondeu. Sobre a Espanha, lembrou que o primeiro-ministro, José Luiz Zapatero, havia lhe prometido, durante a campanha eleitoral, dobrar a ajuda espanhola à Bolívia e quitar a dívida do país com a Espanha. Morales não mencionou e nenhum momento ao fato de que o Brasil quitou a dívida que a Bolívia tinha com o País, em 2004.Pouco antes ele expressou a sua "grande admiração" pelo governo de Cuba e seu respeito ao presidente Fidel Castro que, em sua opinião, dá apoio "incondicional" à Bolívia.

Agencia Estado,

11 de maio de 2006 | 10h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.