Morales não aceita renúncia do ministro de Hidrocarbonetos

O presidente da Bolívia, Evo Morales, informou neste domingo que não aceitou a renúncia apresentada pelo ministro de Hidrocarbonetos, Carlos Villegas. Morales acrescentou que Villegas seguirá no cargo porque apostou na mudança iniciada com a nacionalização do setor. A intenção, até então não confirmada, de Villegas se demitir foi bastante especulada pela imprensa local nos últimos dias. A imprensa local vinculou a tentativa de renúncia de Villegas asuas constantes diferenças com o titular da companhia petrolíferaestatal Yacimientos Petrolíferos Fiscales Bolivianos (YPFB), ManuelMorales Olivera. "Eu não tenho conhecimento de nenhuma diferença", disse Morales sobre o assunto após uma reunião com os dois em suaresidência de La Paz. No entanto, esta semana o ministro disse que se sentia"extremamente aborrecido" após saber que a YPFB interrompeu ostrâmites para a entrada em vigor dos 44 novos contratos petroleirosassinados com doze multinacionais em outubro de 2006.Villegas se queixou de não ter sido informado sobre a suspensão,apesar de a YPFB ter assegurado que os resultados da revisão feitapelos contratos foram "comunicadas oficialmente ao Ministério deHidrocarbonetos".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.