Morales vai pedir a Lula aumento para US$ 8 no gás boliviano

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai ouvir do seu colega boliviano, Evo Morales, um pedido para aumentar para US$ 8 o preço do gás que o país importa da Bolívia. A reunião dos governantes em Caracas foi confirmada nesta segunda-feira pelo ministro de Hidrocarbonetos da Bolívia, Andrés Solíz, segundo a Agência Boliviana de Informações ABI.Morales vai assistir à Cúpula do Mercosul, em que os presidentes dos quatro países do bloco (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai) vão assinar o protocolo de adesão da Venezuela.Atualmente, o Brasil compra da Bolívia 26 milhões de metros cúbicos de gás por dia, pagando US$ 3,40 por mil BTUs (Unidade Térmica Britânica).Solíz explicou que, dos US$ 8 pedidos pela Bolívia, US$ 0,50 corresponde a um "ajuste ecológico". "Estamos pedindo ao Brasil como base de negociação US$ 7,5, porque é o valor em São Paulo da cesta de preços que reajusta o gás boliviano, ou seja, é o preço de mercado", disse.A Bolívia cobra da Argentina US$ 5 por mil BTUs. O contrato de reajuste de preços foi assinado semana passada por Morales e pelo presidente argentino, Néstor Kirchner.Negociações As negociações do novo preço do gás natural boliviano começaram há três meses. Mas foram interrompidas pela nacionalização dos hidrocarbonetos na Bolívia e pelas discussões sobre uma dívida brasileira no contrato de exportação iniciado em 1999.Pela cláusula "take or pay", entre os anos 2000 e 2005 o Brasil não consumiu o volume que constava do acordo. Com isso, deixou de pagar US$ 450 milhões, segundo os cálculos do Governo boliviano.Em março, Solíz afirmou que a Bolívia não aumentará as exportações de gás se o Brasil não aceitar a mudança das regras.Morales só iria à Venezuela se Lula aceitasse a reunião com ele, segundo o próprio dirigente boliviano confirmou em entrevista coletiva a correspondentes estrangeiros.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.