finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Moratória da Argentina não tem repercussão aqui, diz BNDES

O presidente do BNDES, Carlos Lessa, disse hoje que o não pagamento da Argentina de US$ 2,9 bilhões ao Fundo Monetário Internacional (FMI), ontem, "não tem nenhuma repercussão sobre o Brasil". De acordo com ele, a moratória argentina não afeta a linha de financiamento do BNDES para projetos naquele país. Lessa fez palestra no encontro "A Cooperação Sul-Americana", que está sendo realizado hoje no Rio, e afirmou que, "sem um passo a frente e vigoroso no Convênio de Crédito Recíproco (CCR) não será possível robustecer o comércio recíproco na América do Sul". Segundo ele, o limite de US$ 200 mil do CCR e o prazo máximo de um ano do convênio são muito pequenos para as necessidades do comércio na região. Lessa afirmou, sobre o orçamento do BNDES, que ele é flexível e depende da demanda. De acordo com a assessoria do banco, até 31 de agosto a instituição tinha usado R$ 21 bilhões do seu orçamento deste ano e ainda tem R$ 13 bilhões disponíveis para 2003. Para o ano que vem, a idéia é de que o orçamento chegue a R$ 47 bilhões. O aumento previsto, apesar da falta de demanda pelos financiamentos do banco este ano, se deve às áreas de exportação e infra-estrutura e há projetos já previstos como o de duas plataformas da Petrobrás, que estão sendo licitadas este ano e serão financiadas com R$ 2 bilhões pelo banco no ano que vem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.