coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Morgan Stanley mantém recomendação do Brasil

O banco de investimentos Morgan Stanley Dean Witter manteve a sua recomendação "Market Perform" (média de mercado) para os títulos da dívida externa do Brasil nesta semana, mas observou que o País está vulnerável a eventos de riscos nesta semana, especialmente após a recuperação nos preços dos títulos da dívida, que foram "oversold" (vendidos em excesso) no último mês. Esses eventos de risco estão ligados ao cenário político, com a divulgação de três pesquisas eleitorais nesta semana e também com a indicação do vice para a candidatura de José Serra (PSDB).Em relação às pesquisas eleitorais, o estrategista-senior de renda fixa para mercados emergentes do Morgan Stanley, Jaime Valdivia-Hernandez, espera uma maior volatilidade no mercado financeiro em antecipação à divulgação das pesquisas, especialmente se elas indicarem que Serra possa ter caído nas intenções de voto para atrás de Ciro Gomes ou Garotinho. No lado econômico, Valdivia-Hernandez observou que poderão ocorrer alguns fatos positivos nesta semana. Ele destaca os resultados fiscais do mês de abril, os dados de balanço de pagamentos e a decisão sobre a taxa Selic. Para as contas fiscais de abril, o analista está projetando um superávit primário entre R$ 4,5 bilhões a R$ 5 bilhões, o que estará em linha com a meta de seis meses de R$ 25 bilhões. Em razão da recente volatilidade na taxa de câmbio e o seu direto impacto no serviço da dívida, Valdívia-Hernandez espera um déficit total de R$ 7,5 bilhões em abril que será acumulado aos R$ 64,2 bilhões de déficit nos 12 meses anteriores. Quanto ao balanço de pagamentos, o analista do Morgan Stanley projeta um déficit de conta corrente de US$ 2 bilhões em abril, em contraste com um déficit de US$ 997 milhões em março passado. Porém, o analista projeta para abril um volume de investimento direto de estrangeiros (FDI, na sigla em inglês) menor do que o registrado em março, que atingira US$ 2,4 bilhões. "Embora ainda tenhamos ainda mantido a projeção de FDI para os níveis de US$ 18 bilhões em 2002, poderemos observar uma queda sazonal no fluxo de capitais", disse Valdivia-Hernandez.E, por último, ele está projetando a manutenção na taxa Selic em 18,5% na reunião do Copom desta quarta-feira. "Apesar de a inflação de abril ter vindo abaixo das expectativas, a inflação acumulada em 12 meses ainda causa preocupação. A inflação deverá entrar numa tendência de queda na segunda metade do ano, portanto, cortar a taxa de juros nesta reunião do Copom seria prematuro", afirmou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.