Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Morgan Stanley tem perdas de US$ 3,7 bi com subprime

O banco de investimento norte-americano Morgan Stanley anunciou, na noite de ontem, que sofrerá uma baixa contábil de US$ 3,7 bilhões para refletir a perda de valor em operações com hipotecas de alto risco (subprime) tomadas por seus gestores. O golpe, que é resultado de apostas especulativas feitas com o dinheiro do próprio banco, poderá reduzir o lucro líquido do banco no quarto trimestre em cerca de US$ 2,5 bilhões. O banco afirmou que a perda poderá aumentar se os mercados piorarem antes do fim do ano fiscal no fim de novembro, e estimou sua exposição remanescente em US$ 6 bilhões.A baixa contábil está em linha com as estimativas feitas por analistas esta semana, e seu valor é bem inferior à perda de US$ 7,9 bilhões anunciada pelo banco de investimento Merrill Lynch há duas semanas e de US$ 8 a US$ 11 bilhões adicionais anunciada pelo Citigroup no domingo. No entanto, a baixa contábil pode levantar questões sobre a capacidade do banco de administrar grande risco sob a liderança do presidente-executivo John Mack.O ambiente em deterioração também levou o Morgan Stanley a recuar em sua estimativa de recuperação nos mercados. O diretor financeiro do banco, Colm Kelleher, afirmou ontem, em teleconferência, que levará "vários trimestres para voltar aos níveis normais de operação". Anteriormente, ele havia afirmado que a recuperação levaria apenas um ou dois trimestres. As ações do Morgan subiram 1,6% ontem no after market em Wall Street, após o anúncio da baixa contábil. No fechamento de ontem, os papéis acumulavam perda de 24% nos últimos cinco dias de negócios, reduzindo a capitalização de mercado do banco para US$ 16,9 bilhões. As informações são da Dow Jones.

CAROLINA RUHMAN, Agencia Estado

08 de novembro de 2007 | 08h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.