Morte de Arafat não altera mercado de petróleo

A notícia da morte do líder palestino Yasser Arafat, de 75 anos, não mexeu com os contratos futuros do petróleo, que mantiveram o mesmo comportamento de queda moderada registrada antes do anúncio. O falecimento não surpreendeu os mercados, uma vez que a saúde de Arafat vinha em deterioração rápida nos últimos dias. Mesmo assim, a morte do líder pode ser negativa para os preços de petróleo, uma vez que os rumores sobre seu falecimento, nos dias anteriores, vinham contribuindo para derrubar os preços da commodity, diante das análises de que a sua liderança na Autoridade Palestina impedia o avanço das negociações para a paz com Israel. No entanto, a ausência de um sucessor claro para Arafat e as eventuais disputas pelo poder podem servir de limitadores para o declínio do petróleo. No sistema eletrônico da New York Mercantile Exchange (Nymex), o contrato futuro do petróleo cru para dezembro caía 0,65%, para US$ 48,52 por barril. Mais cedo, o petróleo chegou a subir a US$ 48,90, de US$ 48,86 no fechamento de ontem. Na International Petroleum Exchange (IPE), o contrato do brent para dezembro recuava 0,17%, para US$ 44,67 por barril, mais cedo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.