JF Diorio/Estadão
JF Diorio/Estadão

Motivo para embargo da EU ao frango brasileiro é disputa comercial, diz Blairo

Ministro da Agricultura 'rechaça com veemência' a alegação de que o produto brasileiro pode trazer riscos para a saúde do consumidor europeu

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 18h32

BRASÍLIA - As restrições sanitárias impostas pela Europa ao frango brasileiro são, na verdade, reflexos de uma disputa de mercado. A opinião é do ministro da Agricultura, Blairo Maggi. Nesta terça-feira, 19, ele disse que ele "rechaça com veemência" a alegação de que o produto brasileiro pode trazer riscos para a saúde do consumidor europeu. 

+ UE anuncia embargo a carnes de 20 estabelecimentos do Brasil

"A alegação é de saúde, mas eu rechaço isso com toda veemência", afirmou. "A discussão que estamos tendo com a Europa é essa: eles estão usando de números, travestidos de questão de saúde pública, para tirar o Brasil do processo de vender carne", disse o ministro.

+ Depois do frango, europeus anunciam embargo às importações de pescado do Brasil

Blairo Maggi acrescentou que, para vender carne de frango in natura para o mercado europeu, é exigido o controle de mais de 2.600 tipos de salmonela. Porém, se o produtor brasileiro pagar um pedágio de 1.024 euros por tonelada, essa exigência deixa de existir

"Então não estamos falando de saúde pública", afirmou. "Se é questão de saúde, não tem preço que libere isso, porque em primeiro lugar estão as pessoas."

+ Associação promove produtos brasileiros durante Copa do Mundo na Rússia

Segundo o ministro, é impossível calcular o prejuízo provocado pela suspensão, pela União Europeia, da importação de frango produzido em 20 frigoríficos brasileiros. Maggi afirmou que a possibilidade de exportar toda essa quantidade para outros mercados não está consolidada.

Por isso, o produto que os europeus deixaram de importar foi direcionado para o mercado interno, causando uma "inundação" da proteína no País. Com isso, o preço do frango caiu. Na esteira, também houve redução no preço das carnes bovina e suína.

+ Acordo entre Mercosul e UE fica mais longe de um desfecho

"O setor de carnes vive um momento crítico", afirmou o ministro. Há cerca de um mês, o preço da soja e do milho para ração estava muito elevado. Essas cotações registraram queda nos últimos dias no mercado internacional. Mas, no Brasil, esse movimento foi anulado pela elevação do custo do frete, em decorrência da greve dos caminhoneiros. "O momento é muito preocupante. Precisamos de ações bastante rápidas para não deixar que o setor entre em dificuldade", disse o ministro.

A ideia de questionar as restrições europeias na Organização Mundial do Comércio (OMC) continua em estudos pelo Itamaraty e pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Segundo Maggi, o caso vem sendo estudado com muita cautela. "É preciso ter certeza absoluta do que está sendo pedido, para não haver revés", comentou.

Adiada. Blairo Maggi foi até a Câmara dos Deputados nesta terça-feira para uma audiência pública marcada para discutir o embargo europeu sobre a carne de frango brasileiro. A audiência foi convocada pela Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento e Desenvolvimento Rural, mas foi adiada para próxima terça-feira, 26, às 9h. 

O motivo para o adiamento foi falta quórum, pois parlamentares integrantes da comissão participavam da tensa reunião que discute novas regras para os agrotóxicos.

China. Outro desafio enfrentado pela carne de frango brasileira, a medida antidumping provisória imposta pela China teve pouco impacto nas exportações nacionais, informou nesta terça-feira uma fonte da área técnica do governo. Levantamento preliminar feito pelo Ministério da Agricultura indicou que, mesmo com a sobretaxa, os produtores brasileiros continuam vendendo para aquele mercado.

+ China vai impor tarifas de até 34% ao frango brasileiro

No último dia 7, a China anunciou taxação provisória adicional de 18,8% a 38,4% nas importações de frango do Brasil. Na visão do governo brasileiro, trata-se de uma medida sem consistência técnica. Isso porque não está comprovado que as importações feitas pela China prejudicam as empresas locais. Pelo contrário, elas têm crescido. A demonstração de dano à economia local é um requisito básico para a aplicação do direito antidumping.  

+ Associação diz que tarifas impostas pela China é um retrocesso nas relações comerciais

'China x EUA'. Outro tema avaliado por Blairo Maggi é a atual disputa comercial entre Estados Unidos e China. Segundo ele, o embate apenas traz prejuízos ao agronegócio brasileiro. "Só atrapalha", afirmou o ministro, que também é empresário do ramo.

+ Em ameaça à China, Trump diz que total a ser tarifado pode chegar a US$ 400 bi

Ele explicou que, com a escalada na guerra comercial, os preços dos grãos na Bolsa de Chicago (CBOT) recuaram, o que é ruim para o Brasil. Em contrapartida, a saída dos Estados Unidos do mercado chinês eleva o prêmio dos grãos brasileiros, o que de certa forma "equipara" os dois efeitos. "Mas isso tem efeitos colaterais muito ruins", avaliou.

O primeiro deles é o encarecimento da produção de proteína animal, pois a soja brasileira tenderá a ficar mais cara do que a norte-americana. "Nossa produção de frangos e de suínos fica mais cara e vamos perder esse mercado para os Estados Unidos ou qualquer outro", afirmou. O risco, segundo avaliou, é o Brasil perder espaço no mercado de soja e no de proteína animal.

Outro efeito é a perda de competitividade das esmagadoras de soja do Brasil, uma vez que os chineses só compram soja em grão. "Nossas fábricas vão perder para a Europa", disse.

"É muito prejudicial, cria um ambiente muito ruim de negócios", concluiu. "O preço pode ser muito caro para o Brasil no futuro."

 

Mais conteúdo sobre:
União Europeia Blairo Maggi frango

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.