Taba Benedicto/Estadão
Taba Benedicto/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Após nova manifestação, motoboys vão ao TRT para reunião com empresas de aplicativo

Foram convocadas para o encontro as plataformas iFood, Loggi, Uber Eats e Lalamove; os manifestantes pedem mudanças nas políticas de remuneração e o reconhecimento de vínculo trabalhista com os aplicativos

Renato Jakitas, O Estado de S.Paulo

14 de julho de 2020 | 10h51

Cerca de 400 entregadores de aplicativos se aglomeravam por volta das 14h30 desta terça-feira, 14, em frente ao Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, na Rua da Consolação, centro de São Paulo. Eles participam de uma mobilização convocada pela União Geral dos Trabalhadores (UGT) e pelo Sindicato dos Motoboys de São Paulo (Sindimoto), que tem como alvos as plataformas de entregas, como Uber Eats, iFood, Rappi e Loggi.

No TRT, acontece hoje uma primeira reunião de conciliação entre entregadores e empresas de aplicativos. Na segunda-feira, 13, o iFood pediu o adiamento do encontro, alegando falta de tempo de preparação da argumentação dos apps, mas a Justiça manteve a data e a hora da audiência. 

Foram convocadas para o encontro, além do iFood, as empresas Rappi, Loggi, Uber Eats e Lalamove. Também participarão o presidente da UGT, Ricardo Patah, e o presidente em exercício do Sindimoto, Gerson Silva Cunha.

Um pouco mais cedo, os motoboys passaram em frente à Câmara dos Vereadores de São Paulo, onde entregaram uma lista de reivindicações da categoria ao vereador Adilson Amadeu (DEM). Eles pedem mudanças nas políticas de remuneração e, desta vez, também o reconhecimento de vínculo trabalhista com os aplicativos. “Essas empresas têm de entender que os senhores têm direitos”, afirmou o vereador. 

Em nota, a Loggi disse que “está sempre aberta ao diálogo com entidades públicas e privadas que permeiam os setores de logística, tecnologia, entregas e afins.” 

Sobre a reunião de conciliação, o iFood, também em nota, destacou que pediu o adiamento “a fim de viabilizar uma tentativa de diálogo prévio com as outras empresas envolvidas e eventualmente apresentar posicionamento conjunto do setor aos temas trazidos pelo Sindimoto-SP, em especial porque as empresas adotam práticas distintas umas das outras. O iFood, inclusive, já indicou os seus participantes para a reunião”. 

A Rappi afirmou que não foi “oficialmente citada” na audiência no TRT. “Mas (a empresa) reitera que está à disposição das autoridades para participar das discussões legais sobre o setor de forma a aprimorá-lo ainda mais”, afirma a empresa, em nota.  

Segunda paralisação

É a segunda paralisação do tipo em menos de 15 dias. Desta vez, o movimento não contará com as lideranças difusas do “Breque dos Apps” - paralisação que reuniu, em 1º de julho, milhares de trabalhadores de várias partes do País.

A pauta do protesto assemelha-se à do anterior. Entre as reivindicações está a definição de uma tabela mínima de cobrança pelo serviço e o aumento do porcentual repassado aos motoboys pelas entregas. A diferença é a inclusão por sindicalistas do tema reconhecimento de vínculo trabalhista, que já resultou em sentenças desfavoráveis em segunda instância aos entregadores paulistas. 

A busca do vínculo CLT também não é consenso entre os motoboys e ajuda a explicar por que já há uma terceira paralisação agendada para o próximo dia 25, convocada por líderes como Paulo Lima, dos Entregadores Antifacistas, e Diógenes Souza, que lidera os grupos de WhatsApp em São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
aplicativo de transportemotoboygreve

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.