Hélvio Romero/Estadão
Hélvio Romero/Estadão

Motoristas de carros com GNV aproveitam maior demanda por corridas de app

Diferentemente do diesel, do etanol e da gasolina, gás natural veicular não está em falta nos postos de combustível durante a greve dos caminhoneiros

Priscila Mengue, O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 17h18

SÃO PAULO - Nas redes sociais já virou meme e motivo para ostentação: não há crise de abastecimento durante a greve dos caminhoneiros para motoristas de carros movidos a gás natural veicular (GNV), que é fornecido aos postos por meio de gasodutos e não depende de caminhões. "(Sem o carro a gás) teria que enfrentar horas de deslocamento e ônibus superlotados ou fazer home office", conta o supervisor de relacionamento Marcus Vinicius Camara, de 39, morador do Rio.

AO VIVO: Acompanhe em tempo real a greve dos caminhoneiros

Entre os motoristas de aplicativo, a comemoração é dupla, pois as tarifas estão mais altas por causa da alta procura. "Está bem frenético (o ritmo das) chamadas", brinca o motorista Elielson Barbosa, de 23 anos, de São Paulo.

+ Com crise dos combustíveis, estabelecimentos 'fazem entrega' a cavalo

"Aqui ficou sem ônibus e o pessoal não quer gastar a gasolina ou nem tem", explica o motorista Renan Pacheco, de 30 anos, de Palhoça (SC).

+ No WhatsApp, caminhoneiros dizem que greve está longe do fim

Proprietária de uma empresa que faz conversão de carros para o GNV, Miriane Pinheiro, de 37 anos, até recebeu mensagens de comemoração de clientes antigos após a crise no abastecimento. "Melhor coisa que eu fiz foi colocar gás no carro", escreveu um dos clientes por WhatsApp.

Segundo ela, a procura é maior sempre que há aumento no preço da gasolina. "Os motoristas ainda estao preocupados em onde conseguir gasolina, demora alguns dias para eles procurarem alternativas", acredita. 

+ Prefeitura de SP mantém suspensão do rodízio e permite circulação de caminhões

Miriane também é esposa de um motorista de Uber. Ela diz que o marido aumentou o faturamento em 40% nos últimos dias. "Para aproveitar a demanda, está estendendo o horário de trabalho: sai de casa às 7 horas e volta por volta das 21 horas", conta a moradora de Mogi das Cruzes, na região metropolitana de São Paulo.

+ Motoristas ficam 5 horas na fila para abastecer em SP

Situação semelhante se repete na região  sul do País. "O volume de corridas aumentou muito devido à falta de motoristas e pela falta de gasolina. O faturamento automaticamente aumenta junto", conta Victor Santos da Rocha, de 23 anos, que trabalha em Porto Alegre. 

Rocha também chegou a ampliar o horário de trabalho por causa da demanda. "Normalmente trabalhava de seis a oito horas por dia, ontem trabalhei 14 horas, mas foi algo atípico", relata.

"As pessoas se acostumaram a pagar barato demais e agora estão assustadas com a tarifa mais alta, mas não reclamam nem da demora para buscar, devido à falta de carros rodando, nem do valor final."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.