Motorola aposta tudo em parceria com o Google

Empresa apresenta celulares com o sistema Android para recuperar importância no mercado

Reuters, NOVA YORK, O Estadao de S.Paulo

05 de setembro de 2009 | 00h00

A americana Motorola precisa desesperadamente de despertar o desejo dos consumidores por seus novos telefones celulares, que serão apresentados na semana que vem, para convencer os compradores e, principalmente, os investidores de Wall Street, de que ainda tem lugar no setor mundial de telefonia móvel. Suas chances de voltar a ter um papel dominante nesse mercado, porém, parecem pequenas.

Depois de anos de perdas de mercado, a Motorola decidiu apostar tudo no software Android para celulares, do Google, na esperança de que uma parceria com o gigante da internet possa ajudá-la a reconquistar os consumidores.

As ações da Motorola, que um dia liderou o mercado mundial de celulares e hoje caiu ao quarto posto, registraram alta de 11% no começo da semana, por causa da esperança de que os novos modelos de celulares despertem entusiasmo suficiente para recuperar a fama de seu logotipo em forma de asa de morcego.

Embora ninguém antecipe o lançamento de um modelo capaz de derrotar o iPhone, da Apple, no evento marcado para 11 de setembro, em São Francisco, analistas afirmam que o risco continua a ser o de que os novos modelos não sejam únicos o bastante para seduzir os consumidores, especialmente porque outros fornecedores também vendem celulares equipados com o Android.

SEM DIFERENÇAS

"Os primeiros modelos não apresentarão diferenças significativas (em relação aos concorrentes) e podem decepcionar as pessoas que aguardam os lançamentos'', disse Phil Cusick, da Macquarie Research.

A empresa ofereceu poucos detalhes sobre o evento, que acontecerá durante a apresentação de seu copresidente-executivo, Sanjay Jha, na conferência de telefonia móvel GigaOm. Jha havia anunciado o plano de desenvolvimento de celulares Android em outubro passado.

Ele também disse que os novos modelos seriam integrados a redes sociais populares, mas rivais como Apple, Research in Motion (RIM), HTC e Palm já oferecem esse tipo de recurso para serviços como o site de relacionamento Facebook, por exemplo.

Os acionistas parecem ter se impressionado com o desempenho de Jha, com as ações da Motorola acumulando alta de 100% de maio para cá. Mas, ainda assim, elas estão 70% abaixo do pico de US$ 26 atingido em 2006.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.