Mourão defende reforma da Previdência, tributária e privatizações

'Vamos reformar a previdência, o sistema tributário, privatizar tudo o que tiver que ser privatizado e reformar o sistema educacional', afirmou o presidente em exercício, Hamilton Mourão

Mariana Haubert - O Estado de S.Paulo

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar primeiros 03
meses grátis

Você pode ler 5 matérias grátis no mês

ou Assinar primeiros 03
meses grátis

Você leu 4 de 5 matérias gratuitas do mês

ou Assinar primeiros 03
meses grátis

Essa é sua última matéria grátis do mês

ou Assinar primeiros 03
meses grátis

O presidente em exercício Hamilton Mourão defendeu nesta terça-feira, 19, a aprovação da reforma da Previdência, que já está em discussão no Congresso, e a discussão sobre uma reestruturação do sistema tributário para dar condições para que o País possa voltar a crescer. Mourão participou de uma palestra e de um debate do grupo empresarial Lide com empresários do Distrito Federal.

Para ele, enquanto as duas reformas não forem concluídas, será "um massacre" para os cidadãos. "Vamos reformar a previdência, o sistema tributário, privatizar tudo o que tiver que ser privatizado e reformar o sistema educacional. Vamos também tirar o peso das costas de quem produz", disse.

Mourão afirmou que abertura comercial precisa ser 'lenta, gradual e segura'. Foto: Foto: Romério Cunha/VPR

Questionado por empresários, Mourão defendeu que é preciso primeiro organizar o sistema tributário, reduzir o peso de cada imposto e incluir todos na base de pagamento. Ele afirmou que a reforma da previdência não é a solução de todos os males, mas sim um passo inicial e que a aprovação da reforma do sistema de aposentadorias criará um ambiente de confiança.

"Os investidores verão que o governo estará cumprindo promessas de campanha", disse o presidente em exercício. Na avaliação dele, o início do segundo semestre seria o prazo ideal para aprovação da reforma. "Isso é o ótimo. Mas o ótimo é inimigo do bom."

Mourão também defendeu uma abertura da economia, porém de forma "lenta, gradual e segura". "Temos que abrir a economia para o comércio mundial. Mas essa abertura tem que ser lenta, gradual e segura. Porque, enquanto não reformarmos o sistema tributário, será um massacre para nossa produção local", disse.

"Precisamos organizar o sistema, ele é caótico. Não sabemos o que temos que pagar. O passo seguinte será a redução do peso de cada um desses impostos. Todo mundo tem que estar na base pagadora. Todo mundo vai pagar, mas vai pagar menos", disse. Mourão, no entanto, afirmou que os detalhes de uma proposta que pode ser apresentada pelo governo no futuro está nas mãos do secretário especial da Receita Federal, Marcos Cintra.

Mourão disse que há um preço que o País terá que pagar no curto prazo para que no longo prazo "a nação sorria para todos". O presidente em exercício destacou que o problema estrutural do País é "o pequeno crescimento econômico e a deterioração das contas públicas".

Defesa

Em seu discurso, Mourão saiu em defesa do presidente Jair Bolsonaro ao dizer que ele "não é uma ameaça à democracia". "Bolsonaro é um estadista, ele está pensando no futuro do País", disse. Mourão também afirmou que o governo atual "resgatou a confiança do povo brasileiro" e a primeira demonstração para isso foi a formação de um ministério menor e composto por indicações técnicas.

Durante a abertura do evento, o empresário Paulo Octávio destacou que o setor produtivo de Brasília espera do governo "muita eficiência" para atender às necessidades da população e dos empresários. Ele também afirmou que o grupo apoia a reforma da Previdência e defende a reestruturação do sistema tributário do País.

Mais conteúdo sobre:

Encontrou algum erro? Entre em contato