Dida Sampaio/Estadão
Hamilton Mourão é presidente do Conselho Nacional da Amazônia Legal. Dida Sampaio/Estadão

Mourão diz que empresas brasileiras serão cobradas por melhorias ambientais, sociais e de governança

Segundo o vice-presidente, crimes ambientais deixam o País vulnerável a difamação e permitem que interesses 'protecionistas' levantem barreiras comerciais contra as exportações brasileiras

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2020 | 19h52

BRASÍLIA - O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou que as empresas brasileiras serão cobradas por melhorias ambientais, sociais e de governança. Segundo ele, crimes ambientais deixam o País vulnerável a campanhas difamatórias e abrem caminhos para que interesses "protecionistas" levantem barreiras comerciais "injustificáveis" contra exportações brasileiras.

"O compromisso com a preservação ambiental passou a contar da agenda pública mundial, de empresas e governos estrangeiros. Cada vez mais as empresas brasileiras serão cobradas a apresentar melhores credenciais ambientais, sociais e de governança", disse durante participação no encerramento do 39º Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex).

"Nosso agronegócio é altamente competitivo e fornece segurança alimentar para pessoas mundo a fora. Os mais altos padrões de qualidade e respeito ao meio ambiente são exigidos por empresas e consumidores que confiam em nossos produtos. Por essa razão, crimes ambientais deixam nosso País vulnerável a campanhas difamatórias", disse.

À frente do Conselho da Amazônia Legal, ele afirmou que o grupo tem como prioridade imediata o combate ao desmatamento ilegal e às queimadas. De acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o número de focos de fogo na Amazônia registradas neste ano já superou todas as ocorrências nos 12 meses de 2019.

"Como se não bastasse o prejuízo ao patrimônio natural brasileiro. O desmatamento e as queimadas prejudicam nossa imagem internacional e afetam os mais diferentes setores de nossa economia. Com consequências para nossa capacidade de exportar e atrair investimentos", afirmou.

Mourão voltou a defender o desenvolvimento de mais negócios ligados à bioeconomia na região. "Necessitamos de melhorias no ambiente de negócios, na infraestrutura e no financiamento para disseminação de alternativas de emprego e renda em atividades ambientais sustentáveis", disse. "É o caminho para que a Amazônia ingresse na era da economia do conhecimento".

Segundo ele, o Conselho da Amazônia definiu, com orientação do presidente Jair Bolsonaro, três principais linhas de ação. Entre elas, a identificação de atividades que podem ser expandidas com produtos e serviços já conhecidos e o aprimoramento da infraestrutura sustentável de portos e aeroportos, para assegurar a mobilidade.

"Estamos alinhando instituições financeiras, público e privadas, nacionais e internacionais, de modo a mobilizar recursos de financiamento para os diferentes projetos de desenvolvimento da Amazônia. Nosso êxito internacional dependerá de nossa capacidade de levar adiante projetos de modernização do Estado e de desenvolvimento da economia."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Mourão diz que ajuste fiscal segue como 'pilar da política econômica' do País

Vice-presidente disse que apesar do momento atual ser desafiador, não se pode 'perder de vista as reformas estruturais' que foram enviadas por Paulo Guedes ao Congresso

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

13 de novembro de 2020 | 20h03

BRASÍLIA - O vice-presidente Hamilton Mourão afirmou nesta sexta-feira, 13, que o ajuste fiscal e aumento da produtividade continuam sendo os principais pilares da política econômica brasileira. Durante participação no 39ª Encontro Nacional de Comércio Exterior (Enaex), ele afirmou que o governo segue empenhado em garantir a retomada sustentável da economia o mais breve possível.

"Embora o mundo passe por um momento desafiador, não podemos perder de vista as reformas estruturais", disse Mourão, durante o encerramento do evento. Ele destacou as propostas de reformas administrativa e tributária enviadas ao Congresso pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Disse ainda que o presidente Jair Bolsonaro trabalha para levar adiante projetos de infraestrutura.

Em um discurso para exportadores, Mourão afirmou a interação entre o governo federal e o setor privado é fundamental. Segundo ele, o comércio exterior é fundamental no crescimento e desenvolvimento de qualquer nação. "O Brasil está mais aberto do que nunca ao comércio exterior. O governo do presidente [Jair] Bolsonaro implementar medidas que visam facilitar cada vez mais esse fluxo cambial."

Ao citar a pandemia do novo coronavírus, Mourão afirmou que a crise sanitária acelerou mudanças e “agravou tensões e vulnerabilidades ao redor do mundo”. Ele também ressaltou medidas econômicas do governo do presidente Jair Bolsonaro, a quem citou nominalmente diversas vezes, nos últimos meses. "Cerca de 10% do nosso Produto Interno Bruto [PIB] foi canalizado para financiar medidas extraordinárias para diminuir os impactos da crise."

Mourão afirmou que a economia brasileira já mostra resultados e disse que dados recentes do Ministério da Economia "são animadores". “Estima-se que nosso PIB deve encolher cerca de 4,8%, de acordo com previsão do Banco Central. É um número positivo, se comparado com as estimativas iniciais e também com a queda média prevista para economias latino americanas”, disse.

"O governo permanece com mensagem otimista, trabalhando para que a sustentabilidade e a economia do conhecimento propicie um novo ciclo de crescimento para o País, que tem como um dos principais vetores o comércio exterior. Temos uma oportunidade única de transformar a força disruptiva da pandemia em ímpeto para fomentar a criatividade, o empreendedorismo e o crescimento econômico."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.