Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

Mourão minimiza fala de Eduardo Bolsonaro sobre China e diz que é preciso diversificar relação

Apesar de dizer que a China contribuiu para o aumento da produtividade do agronegócio brasileiro, o vice-presidente afirmou que é preciso 'lançar o olhar para o futuro para ampliar e diversificar relações existentes'

Emilly Behnke, O Estado de S.Paulo

26 de novembro de 2020 | 11h24

BRASÍLIA - O vice-presidente Hamilton Mourão disse nesta quinta-feira, 26, que a parceria entre Brasil e China oferece "bases sólidas para  expandir e diversificar" as relações econômicas entre os dois países. Em evento do Conselho Empresarial Brasil-China (CEBC), ele destacou que a China é o maior parceiro comercial do País, quadro que não foi afetado pela pandemia da covid-19

"O governo chinês identifica com clareza a nova dinâmica da economia mundial que alia crescimento econômico e sustentabilidade", afirmou. Em sua fala, o vice-presidente ressaltou a "complementaridade" das economias do Brasil e da China. Segundo ele, as relações entre os dois países se baseiam em oportunidade e estratégia. "Novas estratégias chinesas de economia circular e sustentabilidade representam oportunidade para ampliarmos nossas relações econômicas", disse. 

Mourão afirmou que a parceria com a China contribuiu para o aumento da produtividade do agronegócio brasileiro ao longo dos anos, mas ponderou que é preciso analisar novas oportunidades de intensificar relações em outros setores. “Precisamos agora lançar o olhar para o futuro para ampliar e diversificar relações existentes”, declarou.

Nesta quinta-feira, o Conselho Empresaria Brasil-China (CEBC) lança um estudo sobre as relações entre os dois países, que sugerem a negociação de acordos comerciais e a ampliação da presença de representantes de instituições brasileiras no país asiático. Entre outros pontos, o estudo indica a necessidade de ampliar e reforçar a presença institucional brasileira na China.  

Mourão é o representante brasileiro na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) e participa do lançamento do estudo. Na chegada à vice-presidência nesta quinta, ele minimizou declarações do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que sugeriram que a China praticaria espionagem por meio de sua rede de tecnologia 5G.

O filho do presidente apagou a publicação em suas redes sociais com as acusações. A embaixada da China reagiu ao ocorrido e afirmou em nota que as declarações do deputado "além de desrespeitarem os fatos da cooperação sino-brasileira e do mútuo benefício que ela propicia, solapam a atmosfera amistosa entre os dois países e prejudicam a imagem do Brasil”.

Sobre o assunto, Mourão disse que a posição do filho 03 do presidente, como Eduardo é chamado pelo pai, se trata apenas de uma "declaração" e que a Comissão de Relações Exteriores da Câmara, presidida pelo deputado, não faz parte do governo.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.