Movimentação no Porto de Santos recua 6% até abril

O Porto de Santos registrou uma queda de 6% na movimentação de cargas no primeiro quadrimestre do ano em relação a igual período de 2007, com um total de 23,438 milhões de toneladas operadas, segundo a Companhia Docas do Estado de São Paulo (Codesp). O resultado inferior ao do mesmo período do ano passado foi influenciado pela redução de 11,1% no volume de cargas exportadas, para 14,642 milhões de toneladas.O principal responsável pela retração nos embarques no quadrimestre foi o açúcar (granel/sacas), que recuou 28,5%, para 2,350 milhões de toneladas. Foram registradas ainda quedas nas exportações por Santos de diesel e gasolina (-63,3%), óleo combustível (-58,1%), óleo de origem vegetal (-27,7%) e carnes (-17,8%). Por outro lado, o porto apresentou crescimento de 858,7% nos embarques de milho (granel/sacas), de 23,5% na soja e de 14,3% no álcool.As importações entre janeiro e abril totalizam 8,795 milhões de toneladas, o que representa um crescimento de 3,9% sobre o resultado do mesmo período do ano passado. O principal item importado no período foi adubo, com um total de 1,087 milhão de toneladas, o que representou 23,4% de incremento na comparação com o mesmo quadrimestre de 2007. Já os desembarques de trigo acumulam queda de 26,3%, para 556,07 mil toneladas.O valor comercial das cargas operadas com o mercado externo através do Porto de Santos, no entanto, registram incremento de 25,23% no quadrimestre, para US$ 26,3 bilhões. As exportações cresceram 13,9%, chegando US$ 14,7 bilhões, e as importações somaram US$ 11,6 bilhões, alta de 8,1%.Segundo a Codesp, o desempenho positivo no faturamento do quadrimestre foi puxado pelas exportações de café em grãos, não torrado e não descafeinado, com US$ 923,5 milhões (+6,3%) e outros grãos de soja, mesmo triturados, com US$ 916,8 milhões (+6,2%). Já a movimentação de contêineres, com carga de maior valor agregado, saltou 5,2%, para 9,06 milhões de toneladas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.