Movimento pré-greve continua, afirmam petroleiros

Ao contrário do que informou a Petrobrás na tarde desta terça, os petroleiros voltaram a afirmar que continua o movimento de pré-greve. As paralisações parciais dos petroleiros poderão evoluir para greve geral, caso a contraproposta da Petrobras às reivindicações por conta da data-base (1º de setembro), não satisfaçam à categoria. A reunião, prevista para às 14h, não havia começado até às 16h50.O coordenador da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Antônio Carrara, disse que os trabalhadores do turno encerrado na segunda-feira às 23h30 não foram rendidos, ou seja, substituídos por aqueles que fazem o turno seguinte, nesta terça às 7h30, e continuarão nas unidades da Petrobras até amanhã cedo. Nessas condições, os petroleiros conseguem apenas manter os serviços essenciais, sendo que as demais operações estão paradas. Isso porque depende da autorização deles o início do trabalho dos funcionários terceirizados, dentro das unidades da Petrobrás.A paralisação está ocorrendo na Replan, em Paulínia (SP), maior refinaria do sistema Petrobras, na Repar e na indústria de xisto, ambas no Paraná, e na Reduq, em Duque de Caxias (RJ).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.