MP do Bem será seguida de outras medidas

O ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Luiz Fernando Furlan, informou há pouco que a "MP do Bem", destinada a incentivar investimentos no País, deverá ter continuidade com a adoção de outras medidas voltadas para a desoneração de investimentos e a melhoria do processo produtivo.Furlan informou ainda que, entre eles, deverá estar a desoneração de impostos sobre a interligação de linhas de transmissão, reivindicada pelo setor de energia. Essa medida, argumentou Furlan, traria redução de custos, aumento de competitividade e redução de preço final ao consumidor, mas ainda está em negociação entre os ministérios da Fazenda, de Minas e Energia e do Desenvolvimento. "Pela pressa, não foi possível colocar esta e outras medidas nesta primeira etapa", afirmou o ministro.Furlan mencionou, ainda, aos deputados da Comissão Permanente de Competitividade da Câmara, onde participou de um seminário, que o governo deverá complementar a MP do Bem, no futuro, a com iniciativas como a desoneração da cesta básica de alimentos e da construção civil.VotaçãoO ministro informou, ao deixar o prédio do Congresso, que a MP do Bem deverá ser encaminhada ao Congresso ainda nesta semana. O texto, apresentado por ele e pelo ministro da Fazenda, Antonio Palocci, ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em solenidade no Palácio do Planalto, poderá ainda receber alguns ajustes entre hoje e amanhã, informou o ministro.Furlan avaliou que a crise política não deverá prejudicar a tramitação da MP no Congresso. "Não há razões para que a MP não seja aprovada, porque ela tem o objetivo de promover o investimento e o emprego", afirmou. "Esses não são assuntos polêmicos. Todos estão a favor".Consultas préviasFurlan informou que os ministérios envolvidos na elaboração da MP tiveram o cuidado de fazer consultas prévias aos presidentes da Câmara, deputado Severino Cavalcanti (PP-PE), e do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), antes de iniciar a formulação da medida. "Eles são padrinhos da MP do Bem, e esperamos que estejam presentes na cerimônia de anúncio", afirmou.O ministro fez essas afirmações após participar de um seminário sobre competitividade, na Comissão Permanente de Competitividade da Câmara.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.