MP gera desconfiança e juro dispara

Taxas com vencimentos em janeiro de 2010 e de 2012 fecharam no limite de alta determinado pela BM&F

Denise Abarca, Silvana Rocha e Paula Laier, O Estadao de S.Paulo

23 Outubro 2008 | 00h00

A autorização dada pela MP 443 para o Banco do Brasil e a Caixa adquirirem instituições financeiras em dificuldades deu fôlego aos rumores de que há fundos e bancos em situação crítica e ao sentimento de desconfiança no mercado doméstico. Mas o clima já estava tenso por causa do tombo das commodities e das bolsas internacionais, em reação aos fracos balanços corporativos nos EUA que reforçaram as preocupações sobre uma recessão global. Os investidores zeraram posições vendidas no mercado de juros e alguns vencimentos atingiram o limite de variação superior na BM&F. O juro de janeiro de 2010 encerrou na taxa máxima permitida, de 16,22%, assim como a taxa de janeiro de 2012, em 17,43%. O dólar subiu 6,44%, a R$ 2,380 no balcão. A Bovespa caiu mais de 10% e acionou o circuit breaker pela 4ª sessão no mês. O Ibovespa recuou 10,18%, aos 35.069,73 pontos.TENDÊNCIA-Bolsa: mercado externo tende a continuar nervoso+ Dólar: temor de recessão global pode seguir estimulando compras de moeda+ Juros: IPCA-15 e câmbio devem sustentar cautela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.