Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

MP quer prazo para Anatel decidir sobre ponto extra

O procurador da República no Distrito Federal, Paulo José Rocha Júnior, quer que a Justiça estabeleça um prazo para que a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) tome uma decisão de proibir ou não a cobrança pelo ponto extra da TV por assinatura. Na semana passada, o Ministério Público apresentou à Justiça Federal, em Brasília, uma manifestação pedindo que seja definido um prazo de 30 dias para que a Anatel delibere sobre o assunto. A Anatel está há nove meses adiando a decisão.

GERUSA MARQUES, Agencia Estado

20 de março de 2009 | 18h43

"Pedi que o juiz defina um prazo porque não dá mais para confiar na Anatel. Não dá para acreditar que ela vá fazer", disse Rocha Júnior nesta sexta-feira, depois de participar de reunião do conselho consultivo da Anatel, órgão que assessora o conselho diretor da agência.

Ele admitiu a possibilidade de tomar outras medidas mais duras, caso a Justiça estabeleça um prazo e a Anatel não cumpra. "A gente pode exigir do administrador eficiência e, nesse sentido, se ele for reiteradamente ineficiente, sem nenhuma justificativa, a gente pode tomar medidas mais sérias", explicou.

O procurador disse que Anatel não pode usar como justificativa para a demora a falta de um dos cinco conselheiros. Desde novembro do ano passado, quando terminou o mandato de Pedro Jaime Ziller, a Anatel está com quatro conselheiros. A agência aguarda a aprovação pelo Senado do nome do economista João Rezende, indicado para a quinta vaga.

"Uma coisa é não ter quórum. Mas, havendo quórum, há responsabilidade do administrador em decidir", afirmou. A polêmica começou em junho de 2008, quando a Anatel regulamentou os direitos dos usuários de TV por assinatura.

O regulamento proibiu a cobrança do ponto extra, mas permitiu que fossem cobradas taxas de instalação e de manutenção dos serviços. Na época, órgãos de defesa do consumidor criticaram o regulamento, afirmando que abria brechas para que as operadoras transformassem a taxa de manutenção em uma cobrança mensal.

O assunto foi parar na Justiça, que, por liminar, determinou que a Anatel esclarecesse o que pode ou não ser cobrado. Com o adiamento da decisão pela agência, permanece valendo a regra anterior ao regulamento, que libera as operadoras a cobrar o ponto extra, até a Anatel esclarecer o assunto.

A relatora do processo, conselheira Emília Ribeiro, apresentou no fim de janeiro voto favorável pela cobrança, argumentando que as empresas têm custos para prestar esse serviço e por isso têm de ser remuneradas. O parecer ainda não foi votado.

O antigo relator, Pedro Jaime Ziller, antes do fim de seu mandato na Anatel, deixou registrado em ata seu voto contra a cobrança. Ele argumentava que as empresas já cobravam pela programação no ponto principal e que poderiam cobrar eventualmente uma taxa de manutenção pelo ponto extra, mas esta cobrança não deveria ser mensal.

Tudo o que sabemos sobre:
TV por assinaturaAnatelponto extra

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.