MPE prende 5 em operação contra a 'Máfia dos Grãos'

Quadrilha, composto por 75 empresas, atuava no Triângulo Mineiro e tinha ramificações em mais 5 Estados

Solange Spligliatti, do estadao.com.br,

18 de dezembro de 2007 | 11h10

Pelo menos cinco pessoas já foram presas nesta terça-feira, 18, durante a Operação Celeiro, realizada pelo Ministério Público Estadual, em conjunto com a Secretaria de Estado de Fazenda, a Polícia Militar e apoio da superintendência do Banco Central do Brasil, em Belo Horizonte. O objetivo, segundo o MPE, é desarticular a "Máfia dos Grãos" que atuava na região do Triângulo Mineiro e tem ramificações nos Estados de Tocantins, Goiás, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Distrito Federal e São Paulo. Mais de 250 agentes do poder público, entre promotores de Justiça, auditores da Receita estadual, policiais militares e oficiais de Justiça estão cumprindo 25 mandados de busca e apreensão e 18 de prisão preventiva. A quadrilha era composta por 75 empresas que atuavam no mercado de comercialização de cereais há pelo menos 5 anos, causando um prejuízo estimado pela Receita Estadual de R$ 400 milhões em sonegação de ICMS.  Além desse valor, já estão inscritos em dívida ativa ou já foram autuados outros R$ 347 milhões. As investigações tiveram início há mais de dois anos e o MPE já denunciou 58 pessoas. A base de operações da quadrilha era a região do Triângulo Mineiro, constituída por empresas comerciais atacadistas, corretoras e armazéns localizados nas cidades de Uberlândia, Uberaba, Ituiutaba, Araguari, Patrocínio, Patos de Minas, Nova Ponte, Santa Juliana, Araxá e Perdizes, principalmente. O golpe, de acordo com o MP, consistia em comprar soja, milho e sorgo de produtores rurais de Minas Gerais e revender essas mercadorias a grandes indústrias de Minas Gerais e de São Paulo.Para não pagar os tributos, as empresas atacadistas simulavam comprar esses mesmos produtos de "empresas de fachada" inscritas nos Estados de Goiás, Mato Grosso, Tocantins, São Paulo e até no Distrito Federal, através de notas fiscais e créditos de ICMS frios.  A quadrilha também simulava a exportação de grãos, desviando dos postos fiscais nas fronteiras do Estado e falsificava carimbos dessas repartições fazendárias. Com isso, reduzia ou até suprimia o imposto que teria a pagar para Minas Gerais, além de outros tributos. Com a sonegação dos impostos, ganhavam também as granjas, as indústrias de óleo de soja, as fábricas de ração e outras indústrias de produtos alimentícios que no momento de pagar seus impostos, abatiam os créditos recebidos das empresas da quadrilha. Eles também serão chamados para prestar conta dos impostos sonegados.

Tudo o que sabemos sobre:
Operação Celeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.