Rodrigo Garrido/ Reuters
Rodrigo Garrido/ Reuters

portfólio

E-Investidor: qual o melhor investimento para 2020?

MPF alerta Latam sobre possível descumprimento de acordo em reprogramação de voos

Segundo o Ministério Público, a empresa divulgou que o reagendamento dos voos, sem custos adicionais, ficaria restrito até o dia 31 de dezembro de 2020

Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2020 | 22h37

BRASÍLIA - O Ministério Público Federal (MPF) enviou nesta quarta-feira, 1, ofício a Latam no qual alerta para um "possível" descumprimento por parte da companhia sobre as regras de reprogramação de voos durante a pandemia do novo coronavírus, firmadas em termo assinado no último dia 20 entre o MPF, a Secretaria Nacional do Consumidor e a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear).

Segundo o Ministério Público, a Latam divulgou que a reprogramação de voos para mesmo destino e cabine, sem custos adicionais, ficaria restrita até 31 de dezembro de 2020. No entanto, o acordo de conduta autoriza o passageiro que tiver comprado a passagem até a assinatura do termo cancelar sua viagem, sem aplicação de multas e taxas, podendo usar o valor do crédito por um ano a contar da data do voo. A regra vale para aqueles que compraram voos nacionais ou internacionais que seriam operados entre o 1º de março e 30 de junho de 2020, explica o MPF.

No ofício, o órgão pede que a Latam esclareça a situação e também recomenda a "imediata" adequação da publicidade e informações divulgadas pela companhia ao que foi pactuado no termo, sob pena de aplicação de uma multa diária no valor de R$ 5 mil.

"Requisitamos resposta a este ofício no prazo de 48 horas, em razão da urgência, bem como seja aplicada a regra de cancelamento e reembolso do item 3 do TAC em anexo, também nas hipóteses de cancelamento realizado pela empresa", concluiu o documento.

Procurada, a Latam informou que não foi notificada sobre o caso, "e quando for, prestará os devidos esclarecimentos ao órgão".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.