MPF denuncia 17 suspeitos por fraude no Panamericano

Fraudes realizadas entre 2007 e 2010 turbinaram os balanços do banco em pelo menos R$ 3,8 bi 

Cley Scholz, de O Estado de S.Paulo,

23 de agosto de 2012 | 12h17

SÃO PAULO - O Ministério Público Federal protocolou na quarta-feira, 22, na 6ª Vara Criminal da Justiça Federal, em São Paulo, denúncia contra 14 ex-diretores e três ex-funcionários do Banco Panamericano, por crimes contra o sistema financeiro nacional. Entre os denunciados estão o ex-presidente do Conselho de Administração do banco, Luiz Sebastião Sandoval e o ex-diretor superintendente, Rafael Palladino.

Eles são acusados de fraudar a contabilidade do Banco Panamericano entre 2007 e 2010, turbinando o resultado dos balanços em pelo menos R$ 3,8 bilhões. No período, eles receberam da instituição financeira mais de R$ 100 milhões em "bônus" e outros pagamentos irregulares.

Todos foram denunciados com base na lei 7.492/86, que trata dos crimes contra o sistema financeiro nacional. A ação não trata da possível fraude na venda do Panamericano para a Caixa Econômica Federal, que está sendo investigada pelo Ministério Público do Distrito Federal. Mas, segundo o procurador da República Rodrigo Fraga Leandro de Figueiredo, autor da denúncia, "há indícios fortes no sentido de que os "vendedores" agiram com dolo, ocultando fraudulenta e conscientemente os problemas da instituição financeira durante a negociação da participação acionária".

Além dos crimes apontados no relatório da Polícia Federal, a análise do MPF identificou outras possíveis irregularidades na gestão do Panamericano, como o pagamento de propina a agentes públicos, pagamento de doações a partidos políticos com ocultação do real doador, pagamento a escritório de advocacia em valores aparentemente incompatíveis com os serviços prestados e fornecimento de informações falsas ao Banco Central.

Em nota, a atual administração do banco informa que não "comenta fatos relacionados à antiga gestão".

Tudo o que sabemos sobre:
PanamericanoFraude

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.