MPF denuncia Petrobrás por crime ambiental

Petroleira e os empregados são apontados como responsáveis pelo derramamento de óleo da Reduc no rio Iguaçu, na Baía de Guanabara e nos manguezais da região de Meriti   

Sergio Torres, da Agência Estado,

24 de setembro de 2012 | 15h52

RIO - O Ministério Público Federal em São João de Meriti (cidade na região metropolitana do Rio)denunciou a Petrobrás e seus funcionários Antônio César de Aragão Paiva e Carla Muniz Gamboa por crime ambiental. A petroleira e os empregados são apontados como responsáveis pelo derramamento de óleo da Refinaria Duque de Caxias (Reduc) no rio Iguaçu, na Baía de Guanabara e nos manguezais da região.

De acordo com a denúncia do procurador Renato Machado, foram despejados efluentes contendo óleos, graxas, fósforo, fenóis, sólidos sedimentáveis e nitrogênio amoniacal acima dos limites permitidos. Para o Ministério Público Federal, as substâncias causam danos à saúde humana, mortandade de animais e destruição da flora.

Os procuradores acusam ainda a Petrobrás e os funcionários de dificultarem a ação fiscalizadora dos órgãos ambientais. Aragão Paiva é gerente setorial de águas e efluentes da Reduc. Carla Gamboa, gerente setorial de meio ambiente da refinaria.

Tudo o que sabemos sobre:
MPFPetrobráscrime ambiental

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.