Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

MPF do Pará exige suspensão de Belo Monte

Procuradores 'recomendam' ao Ibama que não emita licença de instalação da hidrelétrica

Renato Andrade, O Estado de S.Paulo

27 de maio de 2011 | 00h00

O Ministério Público Federal (MPF) no Pará encaminhou ao Instituto do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) uma "recomendação" para que o órgão não emita a licença de instalação para a hidrelétrica de Belo Monte.

A decisão foi tomada pelos procuradores Bruno Alexandre Gütschow, Felício Pontes Jr. e Ubiratan Cazetta, depois de analisarem relatório elaborado pela Norte Energia - responsável pela usina - sobre o andamento das obras que devem ser feitas para reduzir impactos sociais e ambientais na região onde será construído o empreendimento.

Os procuradores argumentam que a maioria das obras obrigatórias não está finalizada. Segundo eles, 59% do total de 103 casos avaliados (planos, programas e projetos) apresentam pendências.

Por isso, recomendam que a licença de instalação não seja emitida "enquanto as questões relativas às condicionantes da licença prévia não forem definitivamente resolvidas".

A recomendação cita nominalmente os integrantes da comissão de licenciamento do Ibama. O documento contém ainda uma ameaça. "O não cumprimento da presente recomendação acarretará a adoção das competentes medidas judiciais", alertam os procuradores no documento.

Irritação. A atuação do Ministério Público Federal no Pará no caso da usina de Belo Monte irritou o governo federal. A Advocacia-Geral da União (AGU) acionou na quarta-feira o Conselho Nacional do Ministério Público para coibir supostos abusos praticados pelos procuradores paraenses.

No pedido, a AGU solicita que o Conselho fiscalize os "limites de atuação" dos integrantes do Ministério Público.

Os procuradores, por sua vez, acusam o governo de tentativa de intimidação. Em nota divulgada ontem, o Ministério Público Federal afirma que Belo Monte é um projeto com "gravíssimos" problemas sociais. Nesse cenário, é "normal" que a atuação do órgão ao fiscalizar o projeto provoque tensões.

"O que não pode ser considerado normal são as seguidas tentativas do governo federal, através da AGU e do consórcio responsável pela obra, de intimidar os membros do Ministério Público Federal em representações desprovidas de consistência jurídica e em desacordo com a verdade fática do caso Belo Monte", afirmaram os procuradores.

O Ibama ainda não tem uma data definida para a emissão da licença de instalação, documento que vai liberar o início efetivo das obras da hidrelétrica no Rio Xingu (PA). O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, tem dito que o documento deve ser liberado no próximo mês.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.