Dida Sampaio|Estadão
Dida Sampaio|Estadão

MPF pede à Caixa acesso a relatório sigiloso sobre presidente do banco

Investigação foi iniciada pelo escritório Pinheiro Neto com base no relato de Lúcio Funaro, que acusa o presidente Gilberto Occhi de desviar recursos para o PP

Fabio Serapião, O Estado de S.Paulo

27 Março 2018 | 13h01

Os procuradores da força-tarefa Greenfield requisitaram na sexta-feira, 23, acesso a uma investigação interna da Caixa sobre o presidente do banco público Gilberto Occhi. O relatório foi produzido pelo escritório Pinheiro Neto a pedido do Conselho de Administração e é mantido em sigilo pelo banco.

+ Indicações políticas ainda predominam em bancos oficiais

A investigação foi iniciada pelo Pinheiro Neto com base no relato do corretor e delator Lúcio Bolonha Funaro. Em sua colaboração premiada, Funaro acusou o atual presidente da Caixa, Gilberto Occhi, de desviar recursos para o Partido Progressista (PP). 

+ Indicados para o Ministério de Temer são alvo de ações

"Sabia até que tinha uma meta do Gilberto Occhi, de produzir um valor 'x' por mês", disse Funaro, em um dos vídeos do depoimento prestado ao Ministério Público. No entanto, ele não soube dizer qual era o valor da meta.

"Qualquer verba da Caixa para sair, tudo quanto é verba do governo, tinha que passar pela diretoria dele. Tinha que passar na vice-presidência dele", disse Funaro, em relação à atuação de Occhi. "E ele tinha uma meta, que não sei de quanto era. Meta de propina", reforçou.

+ Lei do FGTS permitia empréstimos sem aval do Tesouro, afirma Occhi

+ Michel Temer vai dar aval a empréstimo com garantia ilegal

O Estado apurou que o relatório produzido pelo escritório Pinheiro Neto mapeou toda a evolução patrimonial de Occhi. O documento, segundo fontes relataram à reportagem, teria sido finalizado pelo escritório e estaria sob tutela do Conselho de Administração da Caixa Econômica Federal.

Novo presidente. Nesta terça-feira, 27, os procuradores também enviaram à Presidência da República, ao Ministério da Fazenda e ao Conselho Administrativo da Caixa uma recomendação para que o novo presidente do banco seja escolhido por meio de um processo seletivo impessoal e com a produção de uma lista quíntupla. 

Atual presidente, Occhi deve deixar o comando do banco durante a reforma ministerial. Ele foi indicado pelo seu partido, o PP, para assumir o comando do ministério da Saúde

Os procuradores argumentam que o modelo de escolha com processo seletivo tem por objetivo melhorar a gestão do banco e garantir a transparência.

Recrutamento. Em dezembro de 2017, os procuradores haviam recomendado o uso de um serviço de recrutamento para a formação dessa lista de nomes a serem escolhidos para o comando do banco. Com base nesses nomes, o presidente da República poderia escolher o mais bem preparado.

Na mesma recomendação de dezembro, os procuradores solicitaram a saída de todos os vice-presidentes da instituição. A saída só ocorreu, como mostrou o Estado, em janeiro após o Banco Central também se posicionar á favor das mudanças. Ao todo, quatro vice-presidentes foram substituídos. 

Internamente no MPF, a nova recomendação é vista como um complemento da anterior e tem por objetivo evitar que um novo nome político seja indicado para a vaga de Occhi.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.